Os chamados medicamentos MIP, ou seja, remédios que podem ser comprados na farmácia sem a necessidade de prescrição médica e que são usados para tratamento de sintomas e males menores, terão seus preços liberados pelo governo.

A informação, publicada na resolução 2 da principal entidade do comércio de medicamentos, a Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), diz que essa classe de medicamentos não irá ter um teto definido para o preço dos medicamentos.

Isso significa os valores dos remédios serão definidos pelas próprias empresas farmacêuticas, de forma que a concorrência com outras empresas vai definir o preço ao longo do ano.

Atualmente, somente 30% dos medicamentos têm os preços livres, mas segundo o governo, a ideia é que todos os medicamentos dessa categoria sejam liberados, principalmente aqueles de maior concorrência.

Porém, para os remédios que não têm tanta saída de mercado, o governo deve estipular algum outro controle no preço.

Leia mais: Projeto prevê 50% de desconto em medicamentos para idosos

Importância no bolso

A atual mudança pode ser positiva para os usuários que usam esses medicamentos, pois a probabilidade é que os remédios tenham seus preços reduzidos.

Isso porque com as empresas competindo com as outras pelo mesmo produto, o diferencial será aquele com o melhor custo benefício, e como não tem um preço máximo ou mínimo estipulado, são as ofertas que vão ganhar o consumidor.


Mas essa mudança nos preços só será vista de fato após um prazo mais longo, já que a autorização recente terá reflexos graduais nos preços dos remédios.

Controle de preços da CMED

A Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos estabelece um limite para os preços dos medicamentos. Isso é necessário para que a comercialização, fixação de preço e a concorrência no setor sejam feitas de forma assegurada e sem extrapolar os preços.

Liberados recentemente, os considerados produtos isentos de prescrição médica, podem ser comercializados sem prescrição médica, são, em geral, aqueles usados para tratar sintomas menos graves, como dores de cabeça, febre, tosse, aftas e congestão nasal.

Até então, cerca de 30% não tinham estipulação de preços. Com a nova resolução, a ideia é que todos os medicamentos MIP entrem na liberação.


Após o reajuste anual de medicamentos, o governo anuncia que os medicamentos MIP (medicamentos isentos de prescrição) vão ter seus preços liberados. O que pode significar uma economia para o consumidor.

Fonte: ANVISA


Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *