Falar em parto humanizado, às vezes, envolve uma série de informações que são um pouco desencontradas. Isso porque nem todos(as) os profissionais têm a mesma definição do que, de fato, ele é.

Há quem indique que o parto humanizado é aquele que não usa procedimentos cirúrgicos, respeitando sempre o tempo da mãe e do bebê. Assim, se não houver necessidade médica, o parto normal com o mínimo de intervenção clínica é feito.

Mas há também quem defenda que as escolhas da mulher é que prevalecem. Assim, se a escolha for por anestesias ou até a cesária, contanto que seja uma decisão da mãe, pode ser humanizado. 

Nesse caso, a atenção e o acolhimento são igualmente focados no processo materno, sempre visando o bem-estar da mãe e reduzindo ou evitando procedimentos clínicos desnecessários.

Mas uma coisa é consenso entre médicas(os), doulas, cuidadores e defensores do parto humanizado: ele valoriza o momento materno de dar à luz, centra as atenções na mãe, respeita suas decisões, leva informações sobre riscos e reduz, drasticamente, procedimentos desnecessários. Ou seja, ele é, de fato, mais humano.

Continue a leitura para saber mais sobre o tema!

O que é parto humanizado?

O parto humanizado não é um tipo de parto, mas sim um processo de assistência e respeito à mãe e ao bebê. Isso considera que o parto normal é fisiológico e, a maior parte dos nascimentos, pode ocorrer sem intervenções médicas. 

Da mesma forma, defende-se que o corpo da mãe é, geralmente, capaz de conduzir, controlar e permitir que todo o processo ocorra de forma segura.


A equipe médica deve, então, acompanhar e auxiliar a mulher, respeitando suas escolhas e entendendo que aquele momento é único. Toda intervenção deve ser comunicada à mãe e suas vontades devem ser priorizadas.

Para o parto humanizado também é fundamental garantir que a mãe possa ver e pegar o bebê imediatamente após o nascimento, bem como ter contato com ele durante todo o internamento ou estadia no hospital.

Diretrizes da Organização Mundial da Saúde

Diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS) indicam protocolos que devem fazer parte do atendimento à mãe e assistência ao parto, visando a redução da medicalização e hospitalização desnecessária para o parto saudável. 

Assim, consta para a OMS que a mãe tem: 

  • Direito à escolha do(a) acompanhante durante o trabalho de parto e o nascimento; 
  • Direito ao cuidado e assistência respeitosos; 
  • Direito à comunicação clara e completa sobre todos os procedimentos que irão ser realizados;
  • Garantia de que seus desejos, manifestados antes e durante o parto, sejam respeitados, salvo sob riscos à vida dela ou da criança;
  • Garantia à privacidade e confidencialidade;
  • Liberdade para o manejo da dor (uso de anestesias), posição para o trabalho de parto e nascimento.

Qual a diferença de parto normal e humanizado?

O parto humanizado é aquele que visa tornar o nascimento menos medicalizado e protocolar. Ou seja, o método quer tornar o parto o mais humano e aconchegante, respeitando os desejos e necessidades da mulher, bem como o tempo de nascimento do bebê. Mas não necessariamente não possa ser feito em hospitais.

Já o parto normal é aquele que não é cesárea, ou seja, vaginal. Isso implica que, não necessariamente, ele humanizado, pouco medicalizado ou mais adequado à mãe. 

Isso significa que mesmo o parto normal pode violar os desejos da mãe, aplicando anestesias (ou não aplicando), exigindo que a mulher permaneça em posturas desconfortáveis ou fazendo a episiotomia (corte na região do períneo) sem necessidade.

Apesar de haver profissionais de saúde ou do parto que defendem que o parto humanizado é somente o que ocorre naturalmente, há outros que defendem que mesmo uma cesariana pode ser humanizada. Para isso, basta reduzir ao máximo as intervenções clínicas desnecessárias.

Dessa forma, pode-se considerar que partos humanizados podem ser naturais, feitos em casa ou hospitais, além de cesarianas. Podem usar anestesia se a mulher precisar ou desejar, bem como outros procedimentos quando autorizados e desejados.

Quanto tempo demora um parto humanizado?

O tempo do parto normal humanizado é diferente para cada gestação. Depois que a mulher atingiu 4cm de dilatação, com contrações frequentes e regulares, o tempo médio até o bebê nascer é de 15 horas. Mas isso é relativo, podendo haver mães que tenham um parto bem mais rápido e outras que ultrapassem as 15 horas. 

No parto humanizado, esse tempo é respeitado levando em consideração a saúde da mãe e do bebê. Ou seja, não são realizados procedimentos para acelerar o nascimento e nem se cogita uma cesariana só para que o nascimento seja mais rápido.

Caso haja riscos à vida da mãe ou do bebê, ou a mulher expresse o desejo de intervenção médica (devido às dores muito intensas, por exemplo), então as opções de parto cesária, aplicação de hormônios ou anestesia são considerados.

O que é parto humanizado domiciliar?

O parto humanizado domiciliar é feito em casa, em um ambiente preparado para o nascimento da criança. Apesar de feito em casa, não significa que não haja acompanhamento de especialistas, pois profissionais de enfermagem e medicina, além de doulas podem acompanhar e auxiliar a mãe. 

Apesar de alguns profissionais terem cautela na hora de considerar o parto em casa, há quem defenda que uma gestação saudável e um bom planejamento podem garantir o parto domiciliar seguro.

Isso porque, em casos de emergência, não haveria suporte clínico ou hospitalar para atender à mãe e à criança. 

No entanto, estudos também indicam que se todos os procedimentos indicados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para a checagem do parto seguro forem seguidos, não há maiores riscos de complicações ou mortes devido ao parto domiciliar.

As mulheres que optam por esse processo, em geral, querem vivenciar o momento de dar à luz em ambientes mais afetivos, familiares e confortáveis. Além disso, com a presença de profissionais envolvidos com o parto humanizado, reduz-se os riscos de procedimentos desnecessários (como aplicação de hormônios para acelerar o nascimento).

Parto humanizado hospitalar: tem pelo SUS?

Sim, apesar de — assim como em redes privadas — não ser tão frequente como deveria. O Ministério da Saúde tem campanhas que promovem a circulação de informações sobre a importância do parto humanizado e suas práticas. 

A entidade defende que mães têm direito a ambientes sossegados, privativos, arejados e com boas estruturas para seu acolhimento. Além disso, a mulher tem direito à presença de seu ou sua acompanhante durante todo o processo. 

Essa campanha visa levar informação e conscientização às mães, mas também a profissionais de saúde e hospitais que fazem os partos. 

Seguindo as recomendações do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde, a orientação é que toda a rede pública privilegie o parto normal e divulgue os benefícios dele. 

Além disso, mesmo quando o nascimento vaginal não seja possível, os cuidados e respeito à mãe e à criança devem ser práticas presentes. Por isso, sim, há parto humanizado pelo SUS.

Da mesma forma que na rede privada (planos de saúde ou particular), o ideal é conhecer a equipe médica que vai fazer o parto, conversar com o(a) obstetra que acompanha a gestação e deixar clara a vontade de ter um parto pouco medicalizado.

A confiança no(a) profissional e no local escolhido para o nascimento é fundamental para que haja menos riscos de violência obstétrica ou desrespeito aos desejos da mãe.


A gravidez é um momento de intensas mudanças na vida da mulher. Muitas esperam ansiosamente pelo momento de dar à luz, podendo envolver vários sentimentos, como medo, ansiedade e expectativa.

A equipe médica ou outros profissionais e familiares que vão acompanhar a gestante na hora do trabalho de parto devem priorizar a assistência humanizada, respeitosa e segura.

Por isso, cada vez mais as mães e as entidades de saúde apontam a importância de defender o parto humanizado, mesmo que seja feito no hospital.

Veja mais dicas e informações que envolvem maternidade, desde a gestação até os cuidados com as crianças, no Minuto Saudável!


Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *