O que é Histeroscopia Diagnóstica e Cirúrgica, como é feito, dói?

24

O que é histeroscopia

Também conhecida como vídeo-histeroscopia, a histeroscopia é um procedimento ginecológico com baixos índices de complicações feito para investigar a presença de elementos estranhos no útero, e até mesmo para a retirada desses elementos de forma minimamente invasiva.

É feita através da inserção de um aparelho chamado histeroscópio, que permite que o médico veja o interior do útero e das tubas uterinas e analise o que está errado.

Índice

  1. O que é histeroscopia
  2. Tipos
  3. Para que serve?
  4. Como é feito
  5. Quando deve ser feito
  6. Contraindicações
  7. Cuidados pré-exame e pós-exame
  8. Histeroscopia dói?
  9. Resultados
  10. O que pode afetar os resultados?
  11. Riscos
  12. Preços
  13. Exames complementares

Tipos

Existem dois tipos de histeroscopia, com procedimentos de execução e objetivos totalmente distintos. São elas:

Histeroscopia diagnóstica

A histeroscopia diagnóstica é um exame realizado para visualização de duas partes internas do sistema reprodutor feminino: o canal endocervical, que fica localizado no colo do útero, e a cavidade uterina, estrutura que abriga o endométrio. É feita para identificar e investigar alterações intra-uterinas, além de fazer parte da lista de exames que antecedem fertilizações in vitro. O procedimento é simples e pode ser realizado em ambulatório hospitalar ou no próprio consultório médico.

Histeroscopia cirúrgica

Como o nome sugere, a histeroscopia cirúrgica é um procedimento realizado dentro de um centro cirúrgico, com aplicação de anestesia, que pode ser geral ou local de acordo com a avaliação do médico responsável.

Ao contrário da histeroscopia diagnóstica, a histeroscopia cirúrgica é realizada para tratamento de alguma alteração uterina significativa previamente diagnosticada. Ou seja, é feita visando a retirada de qualquer corpo estranho que esteja atrapalhando a saúde do sistema reprodutivo da mulher ou causando desconforto.

Entre os procedimentos mais comuns feitos através de histeroscopia cirúrgica mais comuns estão a extração de pólipos, retirada de miomas, biópsias e ablações endometriais e a retirada de sinéquias uterinas.

Para que serve?

A histeroscopia diagnóstica é um exame ginecológico indicado para investigar fenômenos como:

  • Infertilidade;
  • Pólipos;
  • Miomas;
  • Aderências uterinas;
  • Alterações significativas no endométrio;
  • Hemorragias;
  • Adenocarcinomas;
  • Abortamentos frequentes.

Na modalidade cirúrgica, a histeroscopia é também utilizada para tratar alguns desses casos através da remoção de miomas e pólipos, correção de anomalias no endométrio e execução de biópsias, entre outros procedimentos.

Como é feito

Para realização da histeroscopia diagnóstica, a paciente ficará em posição ginecológica e terá seu colo do útero dilatado através da utilização de um dilatador mecânico.

Em seguida, será inserido um histeroscópio, instrumento que tem de 1 a 4 milímetros de diâmetro e conta com um emissor de luz na ponta garantindo a visibilidade. Esse equipamento também conta com uma microcâmera, que capta imagens e permite que o médico veja o útero por dentro.Filamentos de fibra óptica são responsáveis por levar a luz e também substâncias que devem induzir a distensão do útero, como gás carbônico ou soro fisiológico.

Alguns profissionais podem optar pela sedação para realização da histeroscopia diagnóstica, para facilitar e garantir mais segurança ao processo. Entretanto, essa etapa não é obrigatória.

A histeroscopia cirúrgica segue as diretrizes para um procedimento cirúrgico. É realizada a aplicação da anestesia, que pode ser geral ou raquidiana, uma anestesia local utilizada para bloquear a dor durante o procedimento, de acordo com orientação médica.

Na grande maioria dos casos, não é feito nenhum tipo de corte – toda a cirurgia é feita com o uso de um endoscópio, mesmo equipamento utilizado em endoscopias. A técnica garante que a retirada do corpo estranho seja feita com o menor nível de invasão e agressividade possível.

Quando deve ser feito

O médico deverá solicitar a histeroscopia quando suspeitar de doenças que estejam atingindo o útero da paciente.

Contraindicações

Gestantes e mulheres com infecções genitais são expressamente proibidas de realizarem histeroscopias. Se esse for o seu caso, é importante informar seu médico no momento da solicitação do exame, caso ele ainda não esteja ciente de sua situação.

Para quem está grávida, a realização da histeroscopia gera o risco de abortamento. Já para quem está com alguma infecção, há o risco de complicação da condição.

Também não é possível executar o procedimento em pacientes menstruadas, já que o fluxo menstrual atrapalha significativamente a visibilidade durante o exame.

Cuidados pré-exame e pós-exame

A preparação pré-exame varia de acordo com o tipo de histeroscopia que será realizado. Para a histeroscopia diagnóstica, é recomendado que a paciente não tenha relações sexuais nas 72 horas que antecedem o exame. Também será necessário tomar um comprimido que previna cólicas cerca de meia hora antes do procedimento, de acordo com orientações da equipe médica responsável.

No caso da histeroscopia cirúrgica, a paciente precisa fazer jejum de 12 horas, para evitar complicações relativas à aplicação da anestesia. Uma hora antes da cirurgia, deve ser ingerido um anti-inflamatório. Caso a mulher apresente estreitamento do canal vaginal, a equipe também poderá aplicar um comprimido vaginal.

É importante salientar que todas as orientações sobre medicamentos e a ministração destes serão realizadas pelo médico responsável pelo exame. Não se medique por conta própria!

Após a realização do exame, algumas pacientes podem apresentar leve sangramento durante alguns dias. Se a condição perdurar por mais de dois dias ou houverem indícios de hemorragia, é importante procurar um médico.

Em geral, a recuperação acontece rapidamente e a paciente pode voltar a sua rotina normal quase imediatamente. Alguns ginecologistas podem recomendar que mulheres que acabaram de passar por uma histeroscopia aguardem 48 horas para voltarem a praticar atividades físicas intensas. Dependendo do motivo que levou a realização do exame, alguns médicos podem dar orientações especiais quanto à retomada da vida sexual da paciente.

Para quem se submeteu a histeroscopia cirúrgica, o pós-operatório costuma ser simples. Após o fim do efeito da anestesia, a mulher deve passar cerca de 40 minutos em observação. Passado esse período, se não estiver sentindo dores, cólicas ou outros desconfortos, a paciente é liberada. Entretanto, em casos especiais, o médico pode solicitar internação de no máximo um dia depois da realização do exame.

Histeroscopia dói?

A sensibilidade pós-histeroscopia varia de organismo para organismo. A maior parte das mulheres se recupera rapidamente sem maiores efeitos colaterais. Entretanto, algumas pacientes podem apresentar dor e desconforto após o procedimento. Também existe a possibilidade de sentir cólicas leves durante a realização do exame.

Resultados

Os resultados da histeroscopia não possuem valores de referência, mas sim, análises da simetria, tamanho e forma de alguns componentes do útero, levando em consideração o período do ciclo menstrual em que a paciente se encontra.

Entre as informações contidas no laudo, estarão uma análise simétrica da cavidade uterina, a aparência do endométrio e os níveis de abertura das tubas uterinas. O resultado também indicará se há sinais de tumores, miomas, lesões e pólipos.

Resultados anormais podem indicar uma série de fenômenos, desde obstrução das trompas até câncer no endométrio. Somente um ginecologista poderá avaliar a situação e solicitar exames complementares para confirmar o diagnóstico.

O que pode afetar os resultados?

Condições como infecções e inflamações genitais, corrimento e bexiga distendida podem alterar os resultados do exame. Nesse caso, o procedimento deverá ser repetido de acordo com orientação médica.

Riscos

São raríssimos os casos de complicações graves após realização de histeroscopia. Entre os riscos pós-exame estão:

  • Sangramentos;
  • Infecções;
  • Falso trajeto do histeroscópio no colo uterino;
  • Intoxicação hídrica, uma condição em que o organismo da pessoa absorve mais líquido do que pode suportar;
  • Perfuração do útero;
  • Ausência de dilatação do colo uterino, impossibilitando a passagem do histeroscópio. Essa complicação é mais comum em pacientes que estejam na menopausa;
  • Lesões em órgãos próximos, como as alças intestinais e a bexiga;
  • Necessidade de repetição do procedimento para confirmação dos resultados;
  • No caso da histeroscopia cirúrgica, a anestesia pode causar choque anafilático ou reações alérgicas.

Entretanto, é importante salientar que o procedimento é seguro em ambas as modalidades. A maior parte das mulheres sente pouca ou nenhuma dor e se recupera rapidamente.

Preço

Na região Norte, o preço médio da histeroscopia diagnóstica é de R$200,00. Já a histeroscopia cirúrgica na mesma região pode sair por valores que giram em torno de R$400,00.

Exames complementares

A histeroscopia costuma ser feita complementarmente a histerossalpingografia, uma modalidade de radiografia que é realizada com a aplicação de contraste e serve para analisar aspectos anatômicos do útero e das tubas uterinas.

Laqueadura histeroscópica

Uma das técnicas mais utilizadas no mundo atualmente para a execução de procedimentos de laqueadura é chamada de laqueadura histeroscópica, que consiste, basicamente, em uma histeroscopia esterilizadora.

O procedimento é simples: através de uma histeroscopia cirúrgica, os médicos inserem duas molas com cerca de 4 centímetros dentro das tubas uterinas da paciente. Essas molas criam uma pequena inflamação controlada, que impede a passagem do espermatozóide e, consequentemente, seu encontro com o óvulo.

A laqueadura histeroscópica tem se tornado o principal meio contraceptivo cirúrgico para mulheres devido a sua fácil recuperação e execução, que não exige cortes ou processos pós-operatórios complexos. Após o procedimento, a paciente pode sentir apenas leves desconfortos por alguns dias, que são amenizados com analgésicos. No total, a laqueadura histeroscópica dura apenas 10 minutos.

Atenção!

Em fevereiro de 2017, a anvisa determinou a suspensão da importação, distribuição, venda e uso do stent tubário Essure, classificando-o como risco máximo. De acordo com o órgão, a implementação do dispositivo pode provocar gravidez indesejada, dor crônica, perfuração, alterações no sangramento menstrual, alergia e migração do aparelho.


A histeroscopia é um exame pouco conhecido, porém muito importante para garantir a saúde do útero. Compartilhe este texto para que mais mulheres tenham acesso a essa informação! Caso tenha qualquer dúvida, entre em contato que responderemos.

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (16 votos, média: 4,31 de 5)
Loading...

24 Comentários

  1. Fiz uma histeroscopia diagnostica á 4 dias e terei q fazer nos próximos dias a cirúrgica… Mas th algumas dúvidas sobre histeroscopia e qdo abri nesta página pude tirar todas elas.. agora fiquei mas tranquila por entender os procedimentos desde processo. Obrigado pela explicação; vou retirar um mioma por esse processo sem medo!!

  2. Artigo muito esclarecedor. Fiz esse procedimento e minha insegurança era com espeito a anestesia e por ser diabética. Mas segui todas as orientações da minha Médica e graças Deus deu tudo certo ! \o/

  3. Olá pessoal. Já fiz esse procedimento a mais de 5 anos à trás deu tudo perfeitamente certo não tive qualquer reação, porém ontem fiz meus exames e o polípo reapareceu dessa vez maior e as paredes do meu colo estão com vasos por isso estou com muitas dores e excesso na menstruação, irei faze novamente o procedimento porém não sei se os resultados serão os menos mais todas as informações e exames dada ao médico são muito importantes para um bom resultado, cada detalhe faz muita diferença. Claúdia espero que vc já tenha se recuperado, se não procure um médico algo está errado. Beijos saúde para todos.

  4. Bom dia! Me foram muito util as explicações, me acalmaram, vou mais confiante para o procedimento. Obrigada

  5. Estou assustada com a diferença de valores. Aqui na minha cidade, para fazer a cirúrgica, o médico me pediu R$ 5.800,00, fora os custos do hospital. Será isso mesmo??

    • Olá Claudia!

      Os valores podem sim variar bastante dependendo da região do país e até mesmo na própria cidade. Por isso é importante pesquisar o preço em outras clínicas e hospitais para encontrar a melhor opção de acordo com suas condições.

  6. Fui diagnosticada com um mioma submucoso intramural e algumas lesões no útero duas ginecologistas indicaram a histerectomia e agora uma terceira me indicou a histeroscopia cirúrgica estou em dúvida se o resultado vai ser eficaz ou no fim vou acabar tendo que fazer a histerectomia.

  7. Obrigado pelo esclarecimento deste procedimento cirúrgico,foi muito útil as informações fornecidas. Pois desconhecia esse procedimento devido ser encaminhada para realizar esse tratamento,por esta razão busquei informações a respeito.
    Parabéns pelas informações bem detalhadas.

    • Olá, Cleides!

      A constipação intestinal não consta como um dos possíveis efeitos colaterais da histeroscopia diagnóstica. Ao sinal de qualquer sintoma diferente, é muito importante buscar auxílio médico. Não se automedique. A automedicação pode trazer sérios riscos à saúde, portanto recorra sempre ao profissional de saúde para o diagnóstico e tratamento corretos.

      • Boa tarde, fiz esse procedimento horrível, que não faria já mais outra vez!!! Eu não paro de sangrar há 20 dias.. dias com muita intensidade, outros mais Nou menos!! não tenho mais paz pra minha vida normal. Me desculpe o desabafo. Att Cláudia Arimatéia.

  8. Vou fazer esse procedimento no próximo dia 22 para a retirada do diu (não estão visualizando o cordão) o médico não pediu com sedação ou anestesia, não sabia que na guia médica teria que constar com sedação, porém tive a surpresa qndo foi agendado em uma clínica, então cheguei à conclusão que seria sem sedação. Fiquei muito insegura e com medo, agendei outra consulta para pedir que a médica peça com sedação.

  9. O texto é bom mas a prática é melhor, o médico me perguntou se queria anestesia ou se queria tentar sem, se pudesse voltar não faria se anestesia. DÓI MUITO. Sangramento e dor foi o que senti, não me orientaram a tomar remédio analgesico antes nem a abstinência sexual.

  10. Obrigada me ajudou muito pois vou fazer tais exames e estou por dentro dos procedimentos a ser realizados ..,muito útil 😊

Deixe suas opiniões e comentários, nos preocupamos com ela:

Por favor, escreva seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui

Lamentamos a não possibilidade de dar-lhe conselho médico ou responder a questões médicas e farmacêuticas individuais através de e-mail, pois apenas um médico pode prestar tal atendimento. Embora tentemos responder a todos os comentários, opiniões e e-mails que recebemos em até dois dias úteis, nem sempre é possível devido ao grande volume que recebemos. Por favor, tenha em mente que qualquer solicitação ao Minuto Saudável está sujeita aos nossos Termos de Uso e Política de Privacidade, ao enviar, você indica sua aceitação.