Eduardo (Minuto Saudável)
20/03/2019 13:03

Aspirina para prevenir doenças? Nova diretriz americana faz alerta

O uso do remédio aspirina para prevenir doenças cardíacas e outras, como AVC (acidente vascular cerebral), pode ter sua prescrição alterada, segundo a nova diretriz sobre prevenção primária de doenças cardiovasculares.

O medicamento já estava sendo observado por vários estudos para ver quais os seus efeitos no organismo saudável, ou seja, sem patologias ou necessidade do medicamento.

A recomendação foi que o uso de aspirina para pessoas mais velhas e saudáveis deixasse de ser orientado.

Leia mais: Tomar aspirina todos os dias ajuda a prevenir doenças cardíacas?

Mas é preciso cuidado na hora de interpretar os estudos abaixo. Eles foram feitos em pacientes que tomavam o medicamento sem necessariamente ter algumas doenças, somente a fim de preveni-las.

Estudos avaliam os efeitos do medicamentos

Foram realizados 3 estudos que analisaram os efeitos do uso de aspirina, todos publicados no New England Journal of Medicine.

Cada um trouxe resultados importantes sobre os principais impactos à saúde do paciente. Saiba sobre cada um:

Maior risco de sangramento

O primeiro acompanhou, por 5 anos, pacientes idosos saudáveis, que se dividiram tomando aspirina e placebo.

Houve somente uma diferença entre os grupos: os participantes que tomaram aspirina apresentaram maiores taxas de sangramento em relação aos que tomaram o placebo.

Hemorragias graves

Na sequência, surgiu o segundo estudo, em que os pesquisadores também observaram um risco maior de sangramento.

Porém, o sangramento envolvia maior intensidade, como hemorragia digestiva alta e intracraniana, mesmo em pacientes que usaram baixas doses de aspirina para prevenir as doenças cardiovasculares.

Além disso, o medicamento também resultou em maiores riscos maiores de doença cardiovascular quando comparada ao placebo.

Câncer

E, por último, o terceiro estudo foi o que teve resultados mais diferentes dos 2 primeiros. Isso porque, na pesquisa, observou-se que o uso preventivo da aspirina pode estar ligado a uma maior causa de morte pelo câncer.

No entanto, os dados devem ser interpretados com cuidados, segundo os próprios pesquisadores. A diferença de mortes devido ao câncer no grupo que usou aspirina é pequena em comparação ao grupo que usou placebo.

Em que casos a aspirina deve ser recomendada?

O medicamento pode sim ser prescrito para pacientes, mas é preciso que o médico avalie cada caso.

Por exemplo, em pacientes idosos que tenham fatores de risco para outras doenças, como dificuldade para controlar o açúcar e colesterol, e que não tenham risco de ter uma hemorragia interna.

Além disso, os médicos devem ser seletivos na hora de prescrever a aspirina para pacientes que não possuem doenças cardiovasculares conhecidas.


Mas o importante é que a principal maneira de prevenir esses tipos de doenças seja adotando um estilo de vida mais saudável, com a prática de exercícios físicos, alimentação equilibrada e menos estresse.

Vale lembrar que é preciso que você consulte seu médico antes de iniciar ou interromper qualquer uso de medicamentos.

Fonte: CNN

18/04/2019 16:10

Eduardo (Minuto Saudável)

Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável. Confira mais na nossa página de quem somos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*