Após o nascimento de um bebê, a maior preocupação da família e também da equipe médica é garantir que ele esteja saudável e que terá condições para se desenvolver normalmente.

Dessa forma, as primeiras 24 horas são cruciais para o recém-nascido, que é observado a todo momento e examinado para assegurar que tudo está bem. 

Durante esse período, algumas crianças podem apresentar alterações que são consideradas comuns, por atingir a maior parte dos recém-nascidos, ou outras que são um pouco mais preocupantes e exigem tratamento. 

Neste texto, iremos abordar uma dessas alterações, a Icterícia neonatal, que embora seja comum, pode comprometer a saúde do bebê.

Índice — neste artigo você vai encontrar:

  1. O que é Icterícia neonatal?
  2. O que bilirrubina?
  3. Quais as causas?
  4. Quais fatores podem provocar a Icterícia neonatal?
  5. Como Icterícia neonatal é diagnosticada?
  6. Quando a Icterícia neonatal é preocupante?
  7. O que a Icterícia pode causar no bebê?
  8. Como tratar a Icterícia neonatal?
  9. Tem como evitar?

O que é Icterícia neonatal?

A Icterícia Neonatal, também conhecida como amarelão, é um problema que faz com que as mucosas, olhos e pele dos recém-nascidos fiquem com a coloração amarelada. Em geral, a condição é considerada comum e na maioria dos casos não é grave.

O “amarelão” ocorre em função do aumento da taxa de bilirrubina na corrente sanguínea. Essa substância é encontrada na bile e permanece no organismo até ser eliminada na urina (por isso a coloração amarela da urina).

A icterícia costuma surgir após as primeiras 24 horas de vida do bebê e desaparece entre a primeira e a segunda semana após o nascimento. Entre os principais motivos para isso está a própria imaturidade do organismo do bebê. Mas, conforme os dias passam, a maioria dos quadros se resolve espontaneamente, sem necessidade de tratamento.


Porém, em alguns casos, pode se agravar e provocar complicações, por isso, o acompanhamento pediátrico é indispensável. 

Quando especialistas julgam que o quadro é perigoso ou não vai passar sozinho, os tratamentos mais indicados costumam ser a fototerapia (expor a criança a luzes especiais), e a exsanguineotransfusão (em casos mais severos de icterícia). 

O que é bilirrubina?

A bilirrubina é produzida pelo organismo que tem cor amarelada, podendo levar à pigmentação da pele, olhos e mucosas (a chamada icterícia). A substância se forma em função da destruição dos glóbulos vermelhos, também chamadas de hemácias, que são células sanguíneas responsáveis pelo transporte de oxigênio para o organismo.

Um dos fatores que faz a icterícia neonatal ser comum é o tempo de vida das células. Em uma pessoa adulta, costuma ser de 120 dias, já nos recém-nascidos, o tempo varia entre 77 a 98 dias. 

Como a bilirrubina é resultado da destruição das células, quanto mais rapidamente elas morrem, maior a concentração da substância no organismo.

Outro agravante é que para a substância ser metabolizada e eliminada, é necessário que ela passe por um longo percurso, mas que pode apresentar falhas (o que é muito normal em recém-nascidos). Assim, provoca-se o acúmulo de bilirrubina na corrente sanguínea do bebê.

Qual o papel de bilirrubina na icterícia?

A bilirrubina influencia diretamente no surgimento da icterícia neonatal, pois quando ela está em excesso no organismo do recém-nascido, acaba depositando-se na pele da criança.

Em geral, isso ocorre devido a algo interferir no processo de metabolização da substância, fazendo com que se torne inadequado ou incompleto. 

Quais as causas?

O principal motivo da pele, mucosa e olhos do bebê com icterícia neonatal ficar amarelo é o aumento da bilirrubina.

De modo geral, a principal causa de icterícia neonatal é o acúmulo de bilirrubina na corrente sanguínea, caracterizando um quadro de hiperbilirrubinemia.

Esse acúmulo pode ocorrer de duas formas: pela produção excessiva da substância ou pela incapacidade de eliminação da mesma.

Dessa forma, alguns tratamentos podem ser iniciados para que o bebê tenha o nível adequado de bilirrubina na circulação sanguínea, que é entre 0,2mL a 1,1mL.

Esse resultado é a soma dos dois tipos de bilirrubina que estão no organismo da criança, a bilirrubina direta (também chamada de conjugada) e a indireta (não conjugada), ou seja, a que foi metabolizada pelo fígado e a que não foi.

Quais fatores podem provocar a Icterícia neonatal?

O recém-nascido pode ter icterícia neonatal devido a uma série de motivos, como doenças hereditárias, dificuldades na metabolização de diferentes substâncias, infecções, entre outros. 

No entanto, há alguns fatores que influenciam e aumentam as chances do bebê desenvolver icterícia, eles são:

Nascimento prematuro 

Um bebê é considerado prematuro quando seu nascimento ocorre antes do período normal de gestação, que é 37 semanas.

Nesse caso, é esperado que o recém-nascido apresente a doença, pois o fígado (assim como outros órgãos) não está desenvolvido o suficiente para conseguir metabolizar a bilirrubina.  

Incompatibilidade sanguínea 

A incompatibilidade sanguínea ocorre quando o feto é portador do agente RH (positivo) enquanto a mãe é RH negativo. 

Isso faz com que, durante a gestação, o organismo da mãe produza anticorpos para destruir o agente RH nas hemácias do bebê, pois ele entende que o RH é um invasor. 

Para converter a hemoglobina presente nas hemácias que foram destruídas, a bilirrubina é produzida em grande quantidade, causando o “amarelão”.

A mãe já teve um filho(a) incompativel 

Quando há incompatibilidade sanguínea  na primeira gestação, os anticorpos produzidos contra o agente RH permanecem na corrente sanguínea, prontos para combater o “invasor”novamente.

Por isso, em caso de uma segunda gestação (que o feto possui RH diferente da mãe), o bebê tem maiores chances de desenvolver icterícia neonatal.

Mãe com diabetes ou diabetes gestacional

Filhos de mães que têm diabetes ou o desenvolvem durante a gestação (se não for controlada) apresentam maiores riscos de ter icterícia neonatal.

Acredita-se que as altas taxas de glicemia durante a gestação desencadeiam alterações na produção de hemácias, ou seja, há um aumento da produção células vermelhas pelo bebê. 

Após o nascimento, o organismo começa a destruir esse excedente, fazendo com que seja liberada mais bilirrubina.

Aleitamento materno

Embora ainda não se saiba a razão específica, a amamentação pode causar icterícia ou prolongar a duração da doença no bebê.

Especialistas acreditam que possa ser devido a propriedades químicas do leite ou pela falta de leite fornecido pela mãe ao bebê. 

Por isso, é necessário observar o recém-nascido e as respostas fisiológicas que ele dá após ser amamentado.

Se sua pele e mucosas começarem a amarelar ou suas fezes ficarem esbranquiçadas ou amareladas demais, ele deve ser levado ao(à) pediatra o mais rápido possível.

Como a Icterícia neonatal é diagnosticada?

O diagnóstico da icterícia neonatal ocorre por meio da realização de exames físicos, pesquisas e exames laboratoriais que identificam a taxa de bilirrubina presente no sangue do bebê e a possível origem da doença.

Dentre esses modos de diagnósticos os mais comuns são:

  • Exames físicos: digitopressão na testa do bebê, se ele tiver icterícia a pele ficará amarela após a pressão;
  • Pesquisas: sobre a prematuridade da criança, seu peso e altura, e outras doenças que a criança apresenta.
  • Laboratoriais: exame de sangue para conferir a taxa de bilirrubina na circulação.

Quando a Icterícia neonatal é preocupante?

A icterícia neonatal é preocupante quando ela não é considerada fisiológica, ou seja, devido a outras doenças ou anomalias. Entenda melhor as diferenças:

Icterícia fisiológica 

Para ser considerada fisiológica, a doença deve surgir entre 48 a 73 horas após o nascimento, ou seja, a partir do 3º dia de vida da criança e não deve durar mais de 2 semanas.

Quando a icterícia é tida como fisiológica, os riscos à saúde do bebê são menores, pois o  quadro é reversível. 

Provavelmente a doença foi desencadeada em razão de irregularidades na circulação hepática (fígado), que acabam provocando alteração na produção ou eliminação da bilirrubina. 

Icterícia Patológica 

A icterícia patológica surge nas primeiras 24 horas de vida do bebê e o nível de bilirrubina no sangue costuma a se elevar de maneira muito rápida. 

Diferente da icterícia fisiológica, a patológica não desaparece em algumas semanas, sendo necessário além dos tratamentos comuns como a fototerapia e a exsanguineotransfusão, outros que consigam inibir a origem da icterícia.    

O que a Icterícia pode causar no bebê?

Se não for diagnosticada e tratada a tempo, a icterícia neonatal patológica pode evoluir e prejudicar o desenvolvimento da criança. 

A complicação mais severa que ocorre em virtude da icterícia por questões patológicas é a kernicterus.

O quadro é caracterizado pelo nível de bilirrubina na corrente sanguínea acima dos 25mg/dL (miligramas por decilitro) e o aparecimento de sintomas como sonolência, falta de apetite e baixa tonificação do tecido muscular do bebê.

Além desses sintomas, outros podem surgir ao longo dos meses se a taxa de bilirrubina não diminuir, como:

  • Espasmos;
  • Crises de choro frequentes;
  • Vômitos;
  • Febre.

Caso o diagnóstico não seja realizado, a kernicterus pode fazer com que o bebê não consiga engatinhar, sentar e futuramente andar de maneira adequada. A criança também pode apresentar dificuldades de audição, visão e sofrer atraso mental. 

Dessa forma, é de extrema importância levar o recém-nascido ao pediatra para que o diagnóstico seja feito e consequentemente o tratamento iniciado, pois esse é único meio de evitar o quadro de kernicterus.

Como tratar a Icterícia neonatal?

A fototerapia é uma das formas de tratamento utilizadas para a icterícia neonatal.

Em geral, quando a icterícia é classificada como fisiológica, espera-se que ela desapareça com o passar dos dias, sem a necessidade de tratamentos especializados, pois trata-se de uma adaptação do organismo da criança.

No entanto, quando o caso é mais grave sendo caracterizado como patológico, tratamentos como a fototerapia e exsanguineotransfusão podem ser prescritos. 

Eles funcionam da seguinte forma:

Fototerapia

A fototerapia é uma forma de tratamento que consiste em expor o bebê às luzes especiais que atingem a estrutura do pigmento (bilirrubina). Isso para que ela seja destruída e o bebê consiga eliminá-la através da urina. 

Para realizar a fototerapia, é colocada uma venda sob os olhos do bebê para que as luzes não danifiquem sua visão, em seguida, ele é colocado em um berço, debaixo de lâmpadas que estão entre 30cm e 50cm de sua pele. Ali, permanece pelo tempo definido pelo(a) pediatra.

Em geral, o tratamento fototerápico é prescrito por alguns dias, no entanto, tudo irá depender do quão alto estão os níveis de bilirrubina no organismo da criança. 

Exsanguineotransfusão

A exsanguineotransfusão é um procedimento médico que consiste na substituição do sangue do bebê por outro que seja compatível com seu organismo. 

Para que o tratamento seja eficiente, sangue que será utilizado deve ser constituído de glóbulos vermelhos colhidos a menos de 7 dias e o plasma que o constitui deve estar congelado. 

É possível garantir que sangue está nessas condições por meio de exame laboratorial (hematócrito) que assegura a quantidade de glóbulos vermelhos presentes, o resultado deve ser de 45% à 50% para que a transfusão ocorra.

Todo o procedimento deve ser feito em um centro médico especializado para evitar complicações.

Tem como evitar?

A melhor forma de evitar um quadro de icterícia neonatal é seguir as orientações durante o pré-natal.

Sim, a icterícia neonatal pode ser evitada, principalmente durante os cuidados realizados no pré-natal.

Durante esse período de acompanhamento, diversos exames e tratamentos podem ser feitos com objetivo de assegurar o desenvolvimento do bebê na gestação e também para diminuir as chances da criança de ter icterícia. 

Como, por exemplo, a aplicação de uma vacina especial (imunoglobulina anti-RH) para mães que apresentaram incompatibilidade sanguínea com o bebê.

Ela impede que os anticorpos presentes no organismo da mulher combatam o agente RH presente no feto. Em geral, é necessário uma dose na 28º semana de gestação e outra até 72 horas após o nascimento da criança.

Ademais, seguir as recomendações pediátricas após o nascimento do bebê, em relação à amamentação, banhos de sol, vacinas, entre outros é essencial para que o recém-nascido não apresente a doença (pelo menos não de maneira grave). 


O cuidado com a saúde é importante em todas as fases da vida, em especial nos primeiros meses, já que os recém-nascidos são frágeis e necessitam de cuidados para que possam se desenvolver de maneira adequada e saudável.

Gostou do nosso conteúdo? Então continue nos acompanhando para saber sobre diferentes assuntos!

Fontes consultadas:


Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.