Diariamente, muitas pessoas precisam e realizam a administração de medicamentos considerados como de “alto custo” — ou seja, àqueles que possuem valores muito elevados. O Xgeva é um deles.

Na sequência, você encontrará informações completas e confiáveis sobre essa medicação, tais como: para que serve, efeitos colaterais e usos. Além disso, veja se o remédio tem genérico, qual o seu preço e se o SUS fornece.

Índice — Saiba o que tem neste artigo:

  1. O que é Xgeva?
  2. Indicação: para que serve o medicamento Xgeva?
  3. Como a bula indica usar?
  4. Xgeva pode causar efeitos colaterais?
  5. A ANVISA aprova Xgeva?
  6. Xgeva e Prolia: qual a diferença?
  7. Valor: qual o preço de Xgeva 120mg?
  8. Xgeva tem genérico?
  9. Denosumabe tem no SUS?
  10. Como orçar Xgeva?

O que é Xgeva?

Xgeva é um dos nomes comerciais do medicamento cujo princípio ativo é o Denosumabe — fármaco composto de uma proteína chamada de anticorpo monoclonal, que interfere na ação de outra proteína envolvida no processo de ativação da degradação óssea.

Por isso, dentre as indicações dessa medicação, há a prevenção de acontecimentos ósseos (cirurgia óssea, por exemplo) e tratamento de tumor nas células gigantes do osso (em casos que não há possibilidade de cirurgia).

Atualmente, esse remédio está disponível, e aprovado pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), em uma versão injetável subcutânea.

Na sequência, entenda quais são as indicações do medicamento, de acordo com a bula:

Indicação: para que serve o medicamento Xgeva? 

De acordo com a bula, o medicamento Xgeva é indicado para os seguintes casos:


  • Tratamento de mieloma múltiplo — um câncer nas células plasmáticas (tipo de glóbulo branco) que não tem cura, o que faz com que a doença por vezes se manifeste e por outras entre em remissão. Quase 100% dos pacientes apresentam lesão óssea no diagnóstico e mais da metade sofrem fraturas patológicas* durante o curso da doença;
  • Prevenir complicações em adultos com câncer causado por metástase óssea — tais como fratura ou pressão na medula espinhal. Nesse caso, o medicamento ajuda na diminuição do tumor e evita a necessidade de cirurgia ou tratamentos com radiação;
  • Tratamento de altos níveis de cálcio no sangue (causado por câncer), após falha de tratamento anterior com bisfosfonato (uma classe medicamentosa);
  • Tratamento de tumor de células gigantes do osso — trata-se de uma lesão óssea benigna que atinge a epífise (parte do osso longo, separada por uma camada de cartilagem e depois unida ao osso). O Xgeva é indicado apenas quando não pode ser realizada a cirurgia ou quando essa não é a melhor opção.

*Essas são fraturas que ocorrem sem a necessidade de trauma e podem ocorrer em qualquer parte do corpo.

Esse medicamento tem como base o princípio ativo Desonumabe. Esse fármaco é constituído de uma proteína chamada de anticorpo monoclonal — sua principal atividade é interferir na ação de outra proteína parte do processo de degradação óssea.

O Xgeva atua reduzindo o número e a função dos osteoclastos (células presentes nos ossos e responsáveis pela degradação do tecido ósseo). Isso resulta na redução da reabsorção e da destruição ósseas, processos comumente induzidos pelo câncer.

Como a bula indica usar? 

A administração do Xgeva é realizada através de uma injeção subcutânea (direto no tecido adiposo, situado abaixo da pele) de 120mg. 

De acordo com a bula, a aplicação deve ser realizada na coxa, no abdôme ou no braço — uma vez a cada 4 semanas. É necessário que a medicação seja preparada e aplicada por um(a) profissional da saúde qualificado(a).

Ainda, a bula indica que em casos de tratamentos devido aos altos níveis sanguíneos de cálcio causados por câncer ou por conta de tumor de células gigantes do osso, é necessário uma dose adicional 1 semana e 2 semanas após a primeira dose. 

É imprescindível seguir as recomendações médicas com relação a quantidade, frequência e duração do tratamento com a medicação.

Xgeva pode causar efeitos colaterais?

Sim. O medicamento Xgeva, assim como qualquer outro, pode causar efeitos colaterais às(aos) pacientes que realizam o seu uso. 

Há casos em que nenhuma reação adversa se manifesta, mas em alguns outros, podem apresentar-se inclusive mais de uma. 

Segundo a bula, as reações muito comuns (ocorrem em mais de 10% dos pacientes) são:

  • Dor óssea, articular ou muscular;
  • Dispneia (falta de ar);
  • Hipocalcemia (baixo teor de cálcio no sangue).

Também podemos destacar as comuns (ocorrem em 1% a 10% dos pacientes):

  • Hipofosfatemia (baixa concentração de fosfato no sangue);
  • Diminuição do apetite;
  • Dor persistente ou não cicatrização de feridas na boca ou mandíbula;
  • Queda de cabelo (alopecia);
  • Dor nas costas;
  • Dor na mandíbula;
  • Dor nas extremidades (braço ou perna);
  • Cansaço;
  • Fraqueza generalizada;
  • Febre;
  • Enjoo, vômito;
  • Diarreia;
  • Prisão de ventre;
  • Aumento de creatinina (uma medida da função renal) no sangue;
  • Dor de cabeça;
  • Anemia.

Para saber sobre reações incomuns ou raras, o ideal é consultar a bula ou perguntar ao(à) médico(a) responsável.

A ANVISA aprova Xgeva? 

Sim. O medicamento Xgeva (120mg) possui o Registro nº 102440009 na ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), caracterizado como um antineoplásico.

Dessa forma, é aprovado para uso e comercialização como um fármaco com segurança e eficácia comprovada.

Xgeva e Prolia: qual a diferença?

Os medicamentos Xgeva e Prolia são do tipo biológicos e possuem o mesmo princípio ativo (a substância Denosumabe). 

Apesar disso, não são medicamentos iguais e não podem ser utilizados para as mesmas finalidades. Eles diferem, principalmente, com relação às indicações da bula.

Conforme mencionado, o medicamento Xgeva é indicado para tratamento de mieloma múltiplo (câncer nas células plasmáticas) e para prevenir complicações em adultos com câncer causado por metástase óssea. 

Em alguns casos, também pode ser recomendado para tratamento de altos níveis de cálcio no sangue (devido ao câncer) ou para tratar tumor de células gigantes do osso — quando não é possível realizar cirurgia.

Já o remédio Prolia é indicado para o tratamento de: 

  • Osteoporose em mulheres na fase pré-menopausa;
  • Osteoporose em homens;
  • Perda óssea em pessoas que realizaram tratamentos de câncer de próstata ou de mama que causam diminuição hormonal;
  • Osteoporose associada à terapia sistêmica com glicocorticoides recém iniciada ou sustentada (tanto em homens quanto em mulheres).

Sendo assim, essa é a principal diferença entre esses remédios. Para maiores informações sobre o Prolia, você pode consultar a bula do medicamento e buscar auxílio médico.

Valor: qual o preço de Xgeva 120mg?

O preço* do Xgeva (120mg/1,7mL) pode variar conforme a região e disponibilidade do medicamento. 

Em geral, a caixa com 1 ampola com 1,7mL de solução de uso subcutâneo, pode custar de R$1.750 até R$2.040. Vale lembrar que só pode ser comercializado diante de prescrição médica.

*Preços consultados em fevereiro de 2020. Os valores podem sofrer alterações.

Xgeva tem genérico?

Não. O Xgeva é um medicamento do tipo biológico (laboratório Amgen) e por isso não existem genéricos dele. 

Por ser um remédio biológico, caso seja criada uma versão alternativa, também será biológica. Atualmente, existe o medicamento Prolia (também biológico), que contém o mesmo princípio ativo do Xgeva, mas não tem as mesmas indicações.

Vale destacar que assim como os medicamentos de referência, os biológicos têm um tempo de patente — fornecido devido aos investimentos realizados para a criação de um medicamento novo.

Por isso, o laboratório desenvolvedor ganha o direito de comercialização exclusiva por um período. Então, a fórmula só é disponibilizada quando o tempo de patente acabar.

Entretanto, os remédios biológicos são criados para combater problemas bastante específicos. Sendo assim, é mais fácil romper com o tempo de exclusividade, pois é bom que sejam produzidas diferentes versões, a fim de ter mais opções de tratamentos.

Denosumabe tem no SUS?

Não. A substância Denosumabe não consta na Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (RENAME) de 2020. Os medicamentos (Xgeva e Prolia) que possuem esse composto como princípio ativo também não são considerados como de dispensa excepcional. 

Sendo assim, atualmente não está disponível pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Como orçar Xgeva?

Mesmo quando o medicamento não é fornecido pelo Governo Federal, pacientes com laudo médico podem fazer um requerimento judicial para receber o tratamento custeado pelo Sistema Único de Saúde (SUS) ou Plano de Saúde – se for o caso.

Para isso, é preciso abrir um processo seguindo as requisições estipuladas. Entre elas está a entrega de documentos que incluem, dentre outros: 

  • Laudo médico;
  • Exames;
  • Requerimento padrão;
  • Orçamento de 3 farmácias.

É possível contar com o auxílio da Assessoria em cotações judiciais para aquisição de medicamentos para a realização do orçamento. Essa assessoria fornece uma cotação personalizada e de forma facilitada.  

Ao acessar o link, basta realizar o cadastro, informando alguns dados pessoais e o medicamento em questão. Ao final, clique em “solicitar cotações” e aguarde o retorno.


Os medicamentos de alto custo são uma necessidade de muitas pessoas. Existem diversos deles, utilizados para diferentes tipos de tratamentos de inúmeras doenças. Como vimos, o Xgeva é um grande aliado no combate de algumas delas.

Caso você queira saber mais sobre outros medicamentos, basta acessar a aba de Remédios. Continue acompanhando o Minuto Saudável para mais informações sobre saúde, bem-estar e muito mais!


Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.