O que é Anisocoria, causas, tipos, sintomas, fatores de risco, e mais

0

O que é anisocoria?

A anisocoria é uma condição em que uma das pupilas (o preto no centro do olho) fica maior do que a outra, mesmo quando existe o mesmo estímulo em ambas. No CID-10 seu número é o Q13.2.

As pupilas são como o diafragma da câmera fotográfica, aquela parte que abre e fecha para deixar a luz entrar. É por elas que a luz entra, permitindo que o cérebro a interprete e forme imagens. Quando existe muita luz no ambiente, as pupilas se contraem para evitar luz demais. Se está escuro, elas se dilatam, permitindo que mais luz entre nos olhos.

Essa é uma das maneiras pelas quais os olhos se acostumam a mudanças de luz. É por isso que os olhos ardem quando saímos de um cômodo escuro para a luz do sol e, quando entramos em um quarto fechado após sairmos do sol, tudo parece muito escuro e leva alguns minutos para que possamos enxergar direito novamente.

Ela pode afetar outros animais além do ser humano, como cães, gatos e qualquer um que possua pupilas.

Quando existe a anisocoria, que pode ser causada por diversas condições ou ser natural, uma das pupilas fica mais dilatada do que a outra. O cantor David Bowie (1947 – 2016) possuía as pupilas de tamanhos diferentes e era um famoso caso de anisocoria.

Índice – neste artigo você encontrará as seguintes informações:

  1. O que é anisocoria?
  2. Tipos
  3. Causas
  4. Fatores de risco
  5. Sintomas
  6. Como é feito o diagnóstico?
  7. Anisocoria tem cura?
  8. Qual o tratamento da anisocoria?
  9. Convivendo
  10. Prognóstico
  11. Complicações
  12. Como prevenir?

Tipos

A anisocoria tem dois tipos, mas eles não são necessariamente diferentes. A única diferença é a causa.

Anisocoria fisiológica

No caso da anisocoria fisiológica as pupilas são naturalmente de tamanhos diferentes. Elas se contraem de maneira normal em resposta à luz e são assim desde o nascimento da pessoa.

Os exames oculares não mostram nenhuma anormalidade na visão e não existe motivo para preocupação. Normalmente a diferença é de no máximo 1 mm de uma pupila para outra.

Anisocoria patológica

Com a anisocoria patológica deve haver mais cuidados. Várias condições podem causar este tipo de anisocoria e ela costuma ser um sinal de que algo está errado no corpo da pessoa.

Anisocoria, até que haja provas de sua causa, deve ser tratada como uma emergência pois pode significar problemas sérios no cérebro.

Causas

A causa mais comum de anisocoria é a causa fisiológica. Nascer com pequenas variações no tamanho das pupilas representa 20% dos casos da condição. Entretanto, diversas doenças e situações podem causar anisocoria. As mais comuns são:

Lesão ocular

A lesão ocular pode causar a anisocoria. O cantor David Bowie era conhecido por ter uma pupila maior do que a outra por conta de uma lesão. Quando adolescente, se envolveu em uma briga e levou um soco no olho de alguém que usava um anel. Mesmo depois de processo cirúrgico não foi possível recuperar o olho por completo e ele ficou com anisocoria.

Síndrome de Horner

A síndrome de Horner é rara e é causada por lesões nos nervos faciais e oculares que compõe o sistema nervoso simpático (SNS). O SNS, resumidamente, controla as reações do corpo a certos estímulos como o estresse (fazendo os batimentos cardíacos aumentarem) ou a dilatação das pupilas (quando há luz ou falta dela).

Normalmente apenas um lado da face é afetado e além da anisocoria a pálpebra do olho fica caída e o lado afetado do rosto perde a capacidade de suar. Pode ser causada por AVC ou tumor, além de lesões diretas.

Defeito congênito da íris

Um defeito congênito é uma falha presente durante toda a vida como lábio leporino ou partido, assim como a síndrome de Down.

Produtos químicos e medicamentos

Certos produtos químicos, quando em contato com os olhos, podem causar a anisocoria. O uso de certas drogas também pode. Entre as substâncias que causam anisocoria estão:

  • Cocaína;
  • Adesivo de escopolamina;
  • Pilocarpina;
  • Coleiras ou sprays antipulgas;
  • Organofosforados;
  • Ipratrópio spray (se em contato com os olhos);
  • Midriáticos (dilatadores de pupila);
  • Clonidina;
  • Apraclonidina.

Cicloplegia

Esta condição faz com que os músculos da pupila fiquem paralisados, fazendo com que ela fique dilatada independente da luz.

Pupila de Argyll Robertson

A pupila de Argyll Robertson é uma condição que está relacionada a complicações neurológicas da sífilis. A condição faz com que a pupila perca o reflexo fotomotor, que faz com que ela dilate no escuro e se contraia na luz. As pupilas ainda se contraem quando os olhos se focam em objetos muito próximos.

Pupila tônica de Adie

Esta condição possui sintomas parecidos com a pupila de Argyll Robertson. O olho perde o reflexo fotomotor, mantendo o de acomodação (se adapta a aproximação de objetos). Costuma ser causada por lesão nas fibras pós-ganglionares, parte do sistema nervoso simpático. Na maioria dos casos o culpado é uma bactéria ou vírus. A condição afeta mais mulheres do que homens e em 80% dos casos só se apresenta em um dos olhos.

Tumores

Tumores em diversos lugares do cérebro podem causar a anisocoria caso afetem ou estejam próximos das partes do encéfalo que controlam o sistema nervoso simpático.

Acidente vascular cerebral (AVC)

Assim como os tumores, os acidentes vasculares cerebrais podem causar os mais variados problemas neurológicos, inclusive a anisocoria.

Paralisia do terceiro nervo craniano

Aneurismas ou tumores podem causar este tipo de paralisia.

Fatores de risco

Poucos são os fatores de risco para a anisocoria. As doenças que a causam são, em geral, genéticas. Entretanto algumas condições adquiridas ainda podem causar a anisocoria. São elas:

Traumas

Traumas na cabeça ou nos olhos podem danificar o nervo que controla a contração e dilatação da pupila, portanto é possível que eles causem anisocoria. Foi através de um trauma que David Bowie adquiriu a condição.

Tumores

Tumores que afetam o sistema nervoso simpático, especificamente o terceiro nervo craniano, podem causar anisocoria.

Aneurismas

Do mesmo jeito que tumores, aneurismas podem causar paralisia do terceiro nervo craniano, originando anisocoria.

AVC

Acidentes vasculares cerebrais podem afetar todas as funções cerebrais, inclusive as reações pupilares ao ambiente.

Sintomas

A anisocoria é um sintoma por si só. Entretanto, quando acompanhada de outros sintomas, pode indicar doenças sérias.

Dor, vermelhidão, visão embaçada ou sensibilidade à luz

Quando as pupilas desiguais acompanham estes sintomas, a causa da anisocoria pode ser problemas oculares.

Pálpebra caída, diplopia (visão dupla) ou dificuldade de equilíbrio

Se estes sintomas acompanham a anisocoria, pode haver uma emergência médica. Frequentemente, nesses casos, existe a Síndrome de Horner ou uma paralisia do terceiro nervo craniano.

Este último pode ser causado por um tumor cerebral ou um aneurisma cerebral, ambos extremamente perigosos.

Visão embaçada recente

Nestes casos, especialmente se a visão embaçada é mais pronunciada quando tenta-se focar objetos próximos, a anisocoria pode ser resultado de uso de medicamentos ou drogas.

Nenhum sintoma extra

Quando não existe sintoma extra é provável que a anisocoria seja fisiológica ou congênita, ou seja, natural para a pessoa.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico da anisocoria é simples e pode ser realizado pelo oftalmologista e até pelo o próprio paciente, que com um espelho, pode ver que o tamanho das pupilas são diferentes.

Nos casos menos pronunciados, com diferenças pequenas de tamanho, o paciente pode não perceber a condição.

O médico, entretanto, deve ficar de olho em sintomas extras para que possa diagnosticar a causa. Algumas podem ser extremamente sérias.

Os exames são realizados através de observação ocular, que pode ser feita no escuro e no claro para que o oftalmologista possa ver diferenças mais claramente.

A lâmpada de fenda, um aparelho que permite a visualização magnificada do olho, pode ser usada.

Anisocoria em cura?

A anisocoria, por si só, é um sintoma e não possui cura. Entretanto a causa pode ser curada, o que leva a recuperação do tamanho original da pupila.

Qual o tratamento da anisocoria?

A anisocoria não tem tratamento direto. O que se trata é sua causa. Cirurgias podem ser usadas para remover coágulos ou tumores que estejam possivelmente interferindo no nervo ocular ou resolver problemas causados por traumas, por exemplo.

Apesar disso o tratamento não é necessário. Na maioria dos casos a anisocoria é natural e não interfere na vida do paciente.

Convivendo

Conviver com a anisocoria pode ser fácil. Nos casos fisiológicos e nos menos severos o paciente pode viver a vida inteira sem perceber que possui a condição. Quando ela é severa, problemas de visão e sensibilidade à luz podem afetar o paciente. Visitar o oftalmologista pode ajudar com esses problemas.

Prognóstico

Em 20% dos casos a anisocoria é fisiológica e difícil de perceber. Não existem consequências para os olhos e nada sequer precisa ser feito para corrigir as pupilas. Entretanto, quando a causa é diferente, pode ser necessário realizar tratamentos.

Cirurgias podem resolver a condição que causa a anisocoria, assim como medicamentos nos casos em que se aplica. As causas para o aparecimento do sintoma são variadas, portanto apenas o médico pode indicar qual é o caminho apropriado a se seguir.

Complicações

A anisocoria, quando severa, pode causar problemas de sensibilidade a luz e dificuldade de foco de objetos distantes ou próximos, dependendo se o olho afetado mantém a pupila dilatada ou contraída.

Como prevenir?

Não é possível prevenir a anisocoria diretamente. Suas causas são, com frequência, surpresas desagradáveis da vida ou condições genéticas. Entretanto é possível reduzir as possibilidades de algumas delas.

Não fume

O cigarro costuma ser associado ao câncer de pulmão e garganta, mas não se engane. Ele pode causar malefícios para todo o corpo, podendo criar um câncer cerebral. Além disso, o tabaco aumenta as chances de aneurismas e AVCs, todos as essas coisas capazes de causar anisocoria e outros sintomas muito mais graves.

Cuidado com traumas

Provavelmente um dos mais difíceis de evitar são traumas nos olhos ou na cabeça, mas você também pode prevenir a incidência destes acontecimentos. Usar capacete onde se aplica, como quando andar de bicicleta, skate ou estiver em construções evita acidentes e protege a cabeça.

Use o cinto de segurança para evitar impactos no caso de um acidente de carro.


A anisocoria é um sintoma que pode surgir devido a condições sérias, traumas ou simplesmente ser uma característica genética. Compartilhe este texto com seus amigos para que eles saibam um pouco mais sobre as pupilas desiguais!

Referências

Lam, B., Thompson, H., & Corbett, J. (1987). The Prevalence of Simple Anisocoria. American Journal Of Ophthalmology, 104(1), 69-73. http://dx.doi.org/10.1016/0002-9394(87)90296-0

Cohen, J., Montero, A., & Israel, Z. (1996). Prognosis and Clinical Relevance of Anisocoria-Craniotomy Latency for Epidural Hematoma in Comatose Patients. Journal Of Trauma And Acute Care Surgery, 41(1), 120-122. https://journals.lww.com/jtrauma/Abstract/1996/07000/Prognosis_and_Clinical_Relevance_of.19.aspx

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (14 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Deixe suas opiniões e comentários, nos preocupamos com ela:

Por favor, escreva seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui

Lamentamos a não possibilidade de dar-lhe conselho médico ou responder a questões médicas e farmacêuticas individuais através de e-mail, pois apenas um médico pode prestar tal atendimento. Embora tentemos responder a todos os comentários, opiniões e e-mails que recebemos em até dois dias úteis, nem sempre é possível devido ao grande volume que recebemos. Por favor, tenha em mente que qualquer solicitação ao Minuto Saudável está sujeita aos nossos Termos de Uso e Política de Privacidade, ao enviar, você indica sua aceitação.