A hepatomegalia pode estar relacionada a diversas condições, indicando uma alteração no correto funcionamento do fígado.

O quadro pode provocar sintomas intensos e até ser percebido por meio de desconforto e apalpação no abdômen, porém, algumas vezes, não há nenhum sintoma.

Por isso, é importante conhecer a condição!

Índice — neste artigo você irá encontrar as seguintes informações:

  1. O que é Hepatomegalia?
  2. Causas da Hepatomegalia
  3. Classificação
  4. Fatores de risco
  5. Sintomas da Hepatomegalia
  6. Diagnóstico
  7. Tratamento para Hepatomegalia
  8. Complicações
  9. Como se faz a prevenção da Hepatomegalia?

O que é Hepatomegalia?

A hepatomegalia é uma condição caracterizada pelo aumento do fígado. Em geral, ela indica que há uma alteração ou doença acometendo o órgão. Mas nem toda hepatologia, ou seja, doença do fígado, deixa-o maior ou inchado.

Às vezes, quando o aumento é expressivo, a pessoa pode sentir dores e desconfortos na região abdominal, mas muitas vezes o quadro de hepatomegalia é assintomático.

O fígado é o segundo maior órgão do corpo, perdendo apenas para a pele. Ele costuma pesar entre 3 e 3,5kg e, mesmo que o órgão não altere no seu tamanho, problemas podem ocorrer. É importante ficar atento a ele, já que possui diversas funções no organismo.

A hepatomegalia ainda pode ser um sintoma de algum problema mais grave, como:


  • Náuseas e vômitos (com ou sem sangue);
  • Cansaço;
  • Inchaço dos pés e pernas;
  • Falta de ar;
  • Perda de peso;
  • Dor abdominal (geralmente no quadrante superior do lado direito do abdômen);
  • Amarelamento da pele e dos olhos (icterícia).

Causas da Hepatomegalia

O aumento do fígado pode surgir por diversas causas, como, por exemplo:

Obstrução do fluxo de saída do fígado

  • Síndrome de Budd-Chiari: ocorre a obstrução do fluxo venoso de saída do fígado, que causa o rápido aumento da pressão venosa intra-hepática. Pode ocorrer dores no local por conta do aumento do tamanho do fígado. Não há refluxo hepatojugular. Quando o problema se torna crônico, é comum que o tamanho do órgão diminua por necrose hepática.
  • Doenças venoclusivas: sintomas parecidos com a síndrome de Budd-Chiari ocorrem. Além disso, também ocorre lesão tóxica do endotélio das vênulas terminais e dos hepatócitos perivenulares, com obliteração das vênulas hepáticas terminais. Doença que tenha associação a alcaloides da pirrolidizina, 6-tioguanina, dacarbazina, mitomicina, curmustina, ciclofosfamida e outros.

Congestão venosa (acúmulo de sangue)

  • Insuficiências cardíacas das câmaras direitas: fibrose endomiocárdica, cor pulmonale e pericardite constritiva.
  • Insuficiências cardíacas biventriculares ou com predomínio das câmaras esquerdas: a hepatomegalia só acontece se houver insuficiência tricúspide associada.
  • Insuficiência cardíaca congestiva: a hepatomegalia pode variar entre moderada e maciça, com borda romba, dolorosa e firma. Há refluxo hepatojugular e ascite. A necrose dos hepatócitos se inicia a partir da veia centrobular. O fígado fica em “noz-moscada”.

Obstrução do colédoco/vias biliares

  • Cirrose biliar primária (obstrução intra-hepática): causa a destruição dos ductos biliares. Nesses casos, a hepatomegalia é de leve a moderada em 25% dos casos. O fígado tem consistência firme e a superfície irregular.
  • Obstrução extra-hepáticas: a dilatação dos ductos biliares intra-hepáticos causa a hepatomegalia. O fígado apresenta superfície regular e borda romba e firme. Na laparoscopia, a coloração se mostra verde. Nesse grupo de doenças, a icterícia é um elemento importante.

Acúmulo de células inflamatórias (desvio inflamatório)

Causas infecciosas

  • Malária: o fígado é firme, e pode causar dor durante à palpação e pode regredir se houver tratamento correto.
  • Leptospirose: a colestase intensa causa a hepatomegalia.
  • Abscessos hepáticos: os piogênicos e os amebianos são os mais comuns. A hepatomegalia se torna dolorosa.
  • Infecção por Yersinia: a hepatomegalia está associada com a forma septicêmica da doença, com o aparecimento de abscessos multifocais.
  • Infecções com granulomas hepáticos: hepatomegalia de grau leve a moderado. Tem como principais causas: brucelose, sífilis, tuberculose, infecções fúngicas disseminadas e larva migrans visceral.
  • Hepatites virais:
  1. Hepatites virais agudas: hepatomegalia leve a moderada e dolorosa à apalpação.
  2. Hepatites virais crônicas (normalmente B e C): hepatomegalia dependendo do quadro histológico predominante.
  3. Vírus da hepatite E, Epstein-Barr, vírus da febre amarela, CMV e herpes vírus: hepatomegalia e doença hepática leve-moderada.
  • Outras infecções: calazar, Salmonella e paracoccidioidomicose.

Causas não-infecciosas

  • Sarcoidose.
  • Hepatite auto-imune hepatomegalia leve-moderada e que causa dor em 4 a cada 10 casos. Esplenomegalia associada em 5 a cada 10 casos.

Acúmulo de substâncias no fígado/hepatócitos

  • Hemocromatose: hepatomegalia de moderada a maciça, com aumento de todo o órgão de forma homogênea. O fígado possui uma consistência firme e cor de ferrugem.
  • Esteatose: ocorre quando o fígado acumula gordura (lipídeos) acima de 5% do peso hepático. O fígado não dói quando apalpado. Esteatose hepática ocorre na obesidade, diabetes, desnutrição, cirurgias de desvio jejunoileal, alcoolismo, hepatites virais crônicas, retocolite ulcerativa e doença de Wilson.
  • Doenças metabólicas: doença de Gaucher, deficiência de alta-1-tripsina.
  • Hematopoiese extramedular (metaplasia mieloide): grande esplenomegalia associada.
  • Amiloidose: hepatomegalia maciça. Fígado possui cor de cera ou pálida.

Ação de substâncias tóxicas

  • Álcool.
  • Hepatite por droga.

Neoplasias

  • Linfomas/leucemias.
  • Tumores metastáticos.
  • Carcinoma hepatocelular (hepatoma): o tumor pode ser único, acometendo preferencialmente o lobo direito ou padrão nodular, no qual vários pequenos tumores se espalham pelo fígado. O órgão apresenta consistência endurecida, superfície nodular e é doloroso à palpação.

Outras causas

  • Acromegalia: hepatomegalia leve-moderada, acompanhando outras viceromegalias.
  • Fibrose hepática congênita.
  • Cirrose hepática: fígado pode se mostrar normal, aumentado ou diminuído
  • Histiocitoses: pode se manifestar com linfadenomegalia generalizada, esplenomegalia e hepatomegalia.
  • Fígado policístico.

Classificação

A classificação da hepatomegalia pode ser feita de três formas. Há a leve, a moderada ou a maciça. O tamanho é o que as difere.

  • Leve: mede entre 13 e 16 cm.
  • Moderada: mede entre 16 e 19 cm.
  • Maciça: mede mais de 19 cm.

Fatores de risco

Existem fatores de risco específicos para a hepatomegalia. Conheça os principais:

  • Hepatite A, B e C;
  • Uso excessivo de bebidas alcoólicas;
  • Utilizar grandes doses de medicamentos, suplementos e vitaminas;
  • Maus hábitos alimentares;
  • Excesso de peso;
  • Infecções, como malária e febre amarela.

Sintomas da Hepatomegalia

A hepatomegalia não costuma trazer sintomas no início, pois o fígado não envia sinais ao cérebro sobre o problema. Se acontecer aumento no volume do fígado, pode ser que se torne sensível à palpação. Quando surgir algum sintoma, ele será caracterizado por desconforto abdominal e dor.

Além disso, vômitos, náuseas, inchaço e fadiga podem surgir na hepatomegalia. É importante, também, ficar atento à cor da urina e das fezes

Diagnóstico

Os médicos especialistas responsáveis por cuidar de hepatomegalia são: gastroenterologista e clínico geral. Para determinar o diagnóstico, o médico pode fazer um teste de palpação para descobrir se o tamanho do fígado está alterado e as principais características do fígado.

Exames de sangue, imagem e biópsia são alguns dos exames solicitados. Há, ainda, exames que podem ser realizados para que o diagnóstico da hepatomegalia seja dado com precisão, eles são: ecografia do fígado, radiografia abdominal, tomografia computadorizada abdominal.

O exame de sangue:

Uma amostra de sangue pode ser feita para determinar o nível de enzimas hepáticas. Além de descobrir o nível das enzimas, vírus podem ser identificados.

Os exames de imagem:

A tomografia e o ultra-som são indicados para que o médico possa examinar o fígado.

Biópsia:

A biópsia é feita para coletar uma amostra do tecido do fígado para análise de laboratório. A biópsia é feita com uma agulha inserida através da pele e do fígado e que pode revelar um aumento do fígado.

Tratamento para Hepatomegalia

O tratamento da hepatomegalia varia de acordo com o diagnóstico e suas causas. Isso quer dizer que as formas de tratar são muito individuais e dependem, obrigatoriamente, do diagnóstico médico.

Pode ser necessário, por exemplo, o uso de medicamentos, mudanças alimentares, redução da ingestão de álcool e outras orientações.

Complicações

As complicações não são comuns, mas, caso ocorra,  insuficiência hepática, descompensação hepática, icterícia e hemorragias podem surgir.

Como se faz a prevenção da Hepatomegalia?

Para prevenir a hepatomegalia algumas medidas podem ser adotadas, como:

  • Não exagerar no consumo de álcool;
  • Manter uma dieta saudável;
  • Parar de fumar;
  • Limitar o contato com produtos químicos (usar luvas, máscara e mangas compridas);
  • Manter um peso saudável;
  • Tome cuidado com suplementos;
  • Siga as instruções do médico.

Para que outras pessoas além de você possam se informar sobre essa condição que afeta geralmente os adultos, compartilhe com seus amigos, colegas e familiares para que eles também tenham conhecimento sobre a hepatomegalia!


Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.

Participe da discussão

10 comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

  1. Obrigado pelas as informações desse conteúdo,são muito boas.
    Com certeza ajudará muito gente em uma melhor qualidade de vida se previnindo de doenças.

  2. Foi muito esclarecedor pois o médico apenas me disse que estou com o figado delatado fato esse resultado de uma ultra sonografia total do abdome
    Não me deu nenhum esclarecimento

  3. Muito obrigada pela informação com muita precisão, o meu marido foi diagnosticado e não foram claros com a explicação. Parabéns para vocês .

  4. Xavier
    Obrigado, estas informações são extremamente úteis para tirarmos dúvidas sobre determinadas doenças e, como devemos agir em busca da cura, por meio da medicina.
    eu ignorava totalmente o termo hepatomegalia, graças estas informações, agora tenho convicção do que se trata.

  5. Muito obrigado já consegui tirar minhas dúvidas,desta forma é fácil se controlar basta seguir as regras, recomendações e instruções

  6. Texto fala para nunca de auto medicar e "indica" ervas para "tratamento"…. Tsc tsc tsc.
    Pior algumas dessas ervas são hepatotoxicas.
    Hepatomegalia não é uma doença, é um sintoma de algum acometimento hepatico.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *