É muito comum que os bebês tenham problemas intestinais, o que pode acontecer por diferentes motivos — desde um erro na pega do peito (que costuma causar gases), até mesmo complicações causadas por intolerâncias ou alergias.

Não raras são as vezes que a criança sofre com cólicas, que geralmente se iniciam por volta de 15 dias de vida e acabam aos 3 ou 4 meses. 

Apesar de ser comum, esses desconfortos intestinais podem ser um grande incômodo para o bebê — e o choro agudo é um dos sinais que indicam a ocorrência da cólica. Por isso, tomar algumas medidas de suporte para melhorar os sintomas é essencial.

Cuidar da flora intestinal pode ser a solução. Para isso, Colidis é uma medida segura, prática e eficaz que pode auxiliar nesses quadros. Veja mais informações a respeito dessa medicação:

Índice — neste artigo você vai encontrar:

  1. O que é Colidis?
  2. Qual a composição de Colidis?
  3. O que são probióticos?
  4. Microbiota intestinal do bebê: o que é e como se forma?
  5. Por que cólicas em bebês são comuns?
  6. Cólica é grave?
  7. Qual a função do Colidis?
  8. Como usar e qual a posologia?
  9. Quanto tempo leva para Colidis fazer efeito?
  10. Colidis tem efeitos colaterais?
  11. Valor: qual o preço e onde comprar?
  12. Qual a diferença entre Colidis e Colikids?
  13. Esse choro é cólica?

O que é Colidis?

Colidis é um produto à base de probióticos isolados do leite materno, o Lactobacillus reuteri DSM 17938, e que pode auxiliar no equilíbrio da flora intestinal dos bebês, podendo ter benefícios para o bom funcionamento digestivo. 

É comum que mães e pais tenham preocupação ao dar qualquer tipo de substância ou até alimentos para as crianças muito pequenas. Mas o L.Reuteri DSM 17.398 é um lactobacilo amplamente estudado, com mais de 200 ensaios clínicos publicados nas principais revistas científicas internacionais. 

Utilizado em mais de 100 países, ele foi estudado em mais de 5700 bebês, tendo demonstrado, cientificamente, redução da cólica em 95% dos casos — portanto, seu uso é seguro e comprovadamente eficaz para auxiliar no bom funcionamento intestinal.


Nos recém-nascidos, não é incomum que ocorram desconfortos intestinais, e isso pode causar grande apreensão em pais e mães. Na grande maioria dos casos, são condições transitórias (ou seja, vão cessar espontaneamente após algum tempo) e que não têm origem patológica.

De forma geral, eles indicam apenas que o organismo do bebê ainda está em processo de maturação. Exatamente por isso que a grande maioria dos quadros cessa por volta do 3º ou 4º mês de vida do bebê. 

Mas nesse meio tempo, encontrar medidas que contribuam com o bem-estar dos pequenos é bem importante, aliviando inclusive o desgaste mental da família.

A ação do Colidis ocorre por meio do estímulo às bactérias não patogênicas (ou seja, que não causam doenças), o que promove a redução de bactérias que provocam fermentação durante a digestão, resultando muitas vezes em dor e desconforto. 

Além disso, de acordo com o pediatra e nutrólogo pediatra Tadeu Fernando Fernandes, Colidis auxilia na harmonização da flora intestinal.

Com isso, “modula os movimentos intestinais pela produção de substâncias chamadas de Ácidos Graxos de Cadeia Curta (AGCC) que auxiliam na motilidade intestinal, promovendo um melhor trânsito do intestino”.

Dessa forma, pode ser indicado também para episódios de constipação ou diarreia, ajudando a regularizar as evacuações.

Cabe destacar que o L.Reuteri DSM 17.398 é semelhante ao que naturalmente está no leite materno. Por isso, não costuma apresentar riscos ou causar complicação que possa prejudicar o frágil sistema digestivo dos bebês.

O pediatra Tadeu Fernandes ainda aponta que, de forma geral, todas as crianças podem usar o L.Reuteri DSM 17.938, pois “atua como preventivo das cólicas e, nos casos em que elas já estão presentes, atua como um redutor do tempo de choro, irritabilidade e agitação”.

Apesar disso, é preciso seguir as recomendações médicas e apenas dar o remédio com prescrição, a fim de evitar doses erradas ou até mesmo casos alérgicos e de intolerância.

Por fim, essa costuma ser uma terapia de médio a longo prazo, uma vez que o Colidis pode levar até duas semanas para reequilibrar a flora intestinal e fazer efeito. 

Qual a composição de Colidis?

Colidis é composto pelo probiótico Lactobacillus reuteri DSM 17938, naturalmente presente em algumas partes do corpo, como a boca e trato intestinal. Além disso, trata-se de um dos poucos que conseguem residir no trato intestinal humano. 

Esse lactobacillus foi isolado a partir do próprio leite materno humano, o que o torna bastante seguro para as crianças, reduzindo os riscos de rejeição pelo organismo dos pequenos. 

O intestino humano é habitado por trilhões de seres vivos, alguns que nos causam mal. Os probióticos, como o L.Reuteri DSM 17.938, atuam promovendo um aumento das bactérias não patogênicas no intestino, ou seja, aquelas que não podem causar doenças. 

Ao mesmo tempo, impede o crescimento daquelas que podem ser prejudiciais e desencadear patologias.

O que são probióticos?

Nos último anos, tem sido mais frequente ouvir sobre os benefícios de consumir alimentos probióticos, pois eles auxiliam na saúde intestinal. Isso é verdade, mas nem todas as bactérias boas são iguais. 

Existem diferentes tipos, fazendo com que atuem de maneiras distintas no organismo.

Os probióticos são microrganismos vivos e atuam em nosso corpo facilitando os processos digestivos e a absorção de nutrientes. Além disso, uma ingestão diária e em doses adequadas pode favorecer a imunidade, evitando possíveis doenças, e melhorar o funcionamento digestivo.

É indispensável que as bactérias boas sejam resistentes às condições do organismo. Assim, precisam sobreviver às variações de pH do trato intestinal, às enzimas gástricas e também que consigam aderir à mucosa intestinal. 

A alimentação, os fatores ambientais e outras patologias podem interferir na microbiota intestinal. E nos bebês, sobretudo recém-nascidos são sobretudo o tipo de parto, tipo de aleitamento e a alimentação materna.

Microbiota intestinal do bebê: o que é e como se forma?

Microbiota intestinal é, basicamente, o conjunto de microrganismos que colonizam o trato intestinal e que, em condições normais, ajudam a manter o bom funcionamento do organismo.

Quando em equilíbrio, esse complexo sistema auxilia na digestão e absorção de nutrientes e no controle da proliferação de bactérias danosas — ou seja, aquelas que podem desencadear doenças ou trazer riscos à saúde.

Ao nascer, o trato intestinal humano é estéril, o que significa que não é povoado por nenhum microrganismo. 

Mas é já no parto normal que a colonização da flora intestinal começa e prossegue por meio da alimentação. Caso o parto seja cesárea, o primeiro contato é por meio dos alimentos (leite materno ou suplementos).

A completa formação da microbiota infantil é essencial para a integridade do organismo, logo que ela tem relação direta com o controle de bactérias nocivas e com a manutenção da boa imunidade.

Por isso, o uso adequado de probióticos, como os presentes no leite materno, pode ter bons resultados. Isso, pois se fixam no trato gastrintestinal e auxiliam na colonização adequada dele.

Estima-se que o padrão da microbiota intestinal seja estabelecido até os 2 anos de idade. Mas ao longo da vida, alguns fatores podem interferir no equilíbrio da composição dos microrganismos. Entre eles, a alimentação, o uso indiscriminado de antibióticos e algumas doenças gastrointestinais (como as doenças inflamatórias intestinais), por exemplo.

Por que cólicas em bebês são comuns?

De acordo com Tadeu Fernando Fernandes, pediatra e nutrólogo em pediatria, as cólicas nos bebês são estudadas há muito tempo, e “o papel da microbiota gastrointestinal infantil na origem das cólicas recentemente entrou em foco, com vários ensaios clínicos randomizados demonstrando diferenças na microbiota intestinal entre crianças com e sem cólicas”.

Quando nascem, o organismo dos bebês ainda está acostumando-se à vida fora do útero. Alguns sistemas ainda não estão completamente formados, como é o caso do trato intestinal.

Isso significa que os movimentos peristálticos (que são as contraturas musculares) ainda ocorrem de forma descoordenada, podendo atrapalhar o correto trânsito intestinal, causando algumas dilatações.

Junto a isso, ainda há alguns fatores que favorecem a formação de gases, como a pegada errada na mamada. Ela pode causar a ingestão de ar, que se não for eliminado pelo arroto, acaba transformando-se em gases que causam esse desconforto.

O resultado disso tudo é, muitas vezes, a famosa cólica no bebê, que costumam trazer bastante preocupação aos pais e mães. 

A cólica costuma ser definida por episódios de pelo menos 3 horas de duração, durante pelo menos 3 dias na semana e por mais de 3 semanas.

Quando ocorrem, um dos sinais mais evidentes são os choros que, em geral, não são cessados por nenhuma medida, como alimentos, troca de fraldas ou colo. É comum que os pequenos demonstrem irritação, agitação e pareçam incomodados. 

Mas vale prestar atenção em algumas características do próprio choro também, pois podem haver outros indicativos de que a causa é mesmo a cólica: 

  • A criança costuma chorar entre o fim da tarde e o começo da noite;
  • A criança costuma esticar e enrijecer as pernas, devido à dor;
  • A cólica pode parar abruptamente ao mudar a criança de posição, podendo retornar algum tempo depois.

Cólica é grave?

A cólica em si geralmente não é grave ou prejudicial, mas como causa grande desconforto ao bebê e apreensão à família, pode desencadear efeitos secundários, como preocupação exagerada e ansiedade nos pais e mães.

Como a criança costuma chorar bastante, e não há muitas coisas capazes de amenizar a dor, a família toda tem o descanso e a rotina afetados. Se o quadro prolongar-se demais, o bem-estar físico e emocional podem ser comprometidos.

Além disso, a criança sente bastante dor e desconforto, podendo inclusive comprometer a boa alimentação e o sono, agravando a irritação.

Qual a função do Colidis?

De acordo com a bula, Colidis tem como função colaborar com a saúde intestinal da criança, o que é possível devido ao fato de que ajuda no equilíbrio da flora intestinal, por meio da colonização intestinal com bactérias benéficas.

Com isso, o Colidis pode ser um auxiliar no alívio de diarreia ou gases intestinais, problemas muito comuns nos bebês.

Inclusive, os gases intestinais são muitas vezes os responsáveis pelas cólicas que acometem os bebês, de forma que esse é um dos principais fatores que levam mães e pais a procurar pediatras.

Em doses adequadas, o Lactobacillus reuteri auxilia no equilíbrio da flora intestinal do bebê. Então, de acordo com o pediatra Tadeu Fernando Fernandes, isso tem uma série de efeitos benéficos ao funcionamento do intestino, pois:

“O equilíbrio da flora intestinal reduz a inflamação intestinal, aumenta a produção do muco protetor intestinal, aumenta a acidez no intestino grosso que ajuda reduzir a proliferação de bactérias fermentadoras, aumenta o efeito barreira no intestino protegendo contra as infecções e alergias alimentares e principalmente pela harmonia no fluxo de informações no eixo intestino-cérebro”.

Tudo isso faz com que a saúde intestinal dos bebês seja fortalecida, podendo reduzir desconfortos, como as cólicas.

Como usar e qual a posologia?

Apesar de ser uma composto por probióticos isolados do leite materno, e que colaboram como um todo para a saúde do organismo, Colidis deve ser usado sob prescrição médica a fim de evitar qualquer dano à saúde da criança.

De acordo com as informações da bula, a dose diária deve ser de no máximo 5 gotas ao dia, uma vez que fornece 108 UFC (100.000.000 de Unidades Formadoras de Colônia) de Lactobacillus reuteri DSM 17938 vivos.

Ainda, as instruções para realizar o uso correto dessa medicação são as seguintes:

  • Agitar o produto antes de usar;
  • Virá-lo com o dispensador para baixo e aguardar que as gotas caiam (não é necessário chacoalhar a embalagem);
  • Misturar a medicação em leite (ou outro líquido) em temperatura fria ou ambiente.

Não se deve misturar Colidis com alimentos ou líquidos quentes, pois isso pode danificar os lactobacilos que são sensíveis ao calor.

Quanto tempo leva para Colidis fazer efeito?

Como mencionado, o Colidis melhora o funcionamento do intestino da criança e repõe a flora intestinal, de forma que colabora também com outros fatores relacionados à saúde.

Sendo assim, não se trata de uma medicação que visa efeito imediato. Para que seja efetivo, é necessário que os probióticos atuem no organismo, ou seja, aumentando as bactérias não patogênicas e colaborando com os processos intestinais.

Dessa forma, a ideia é que com o tempo de uso, ele promova uma melhor digestão e menor formação de gases, ajudando a eliminar cólicas e desconfortos. O que pode demorar até 30 dias.

Vale destacar que Colidis auxilia na saúde intestinal e pode promover benefícios às crianças saudáveis que estão em fase de formação da microbiota.

Sendo assim, corresponde a um tratamento de suporte de médio a longo prazo e tende a não funcionar se for dado pontualmente à criança, com exceção dos casos de diarreia, uma vez que pode ajudar a repor a flora intestinal mais rapidamente.

Vale destacar que, em casos de cólica nos bebês, mesmo fazendo uso do Colidis, outros fatores podem contribuir para eliminar esse problema. 

Por exemplo, o(a) pediatra pode fornecer orientações quanto a pega no peito ou mamadeira, já que se a criança engole ar durante a amamentação, possivelmente terá esses desconfortos.

Além disso, se o bebê já tem alguns meses e ainda sofre frequentemente com problemas do trato intestinal, não deixe de buscar um(a) profissional para obter ajuda.

Colidis tem efeitos colaterais? 

Não há indicação na bula do Colidis quanto a possíveis efeitos colaterais, apenas se pode encontrar a recomendação quanto a não fazer o uso acima da dose máxima diária (5 gotas) e não usar em caso de sensibilidade à composição — a fim de evitar possíveis complicações.

Porém, algumas pessoas relatam que mesmo ao fazer uso da medicação segundo orientações do(a) pediatra e nas doses adequadas, a criança apresentou reações adversas, como diarreia. 

Vale destacar que essas reações podem estar atreladas, por exemplo, a alguma sensibilidade ou alergia da criança ao medicamento.

Por isso, o ideal é continuar seguindo a recomendação do(a) pediatra e caso a criança apresente qualquer alteração, suspenda o uso e busque auxílio médico.

Dá sono?

O Colidis não apresenta indicações quanto a alterações no sono. Porém, vale considerar o fato de que muitos bebês têm dificuldade para descansar devido às fortes dores ou desconfortos decorrentes do mau funcionamento intestinal.

Por isso, conforme há um equilíbrio da microbiota intestinal e uma maturação do intestino, é normal que desconfortos diminuam ou cessem, o que pode colaborar para o sono e descanso.

Entretanto, nesse caso, não se trata de uma reação adversa, apenas de uma consequência dos efeitos do medicamento quanto ao bem-estar da criança.

Valor: qual o preço e onde comprar?

Você pode comprar o Colidis em qualquer farmácia. Porém, se deseja maior comodidade, também é possível encontrar esse medicamento em plataformas online, como o Consulta Remédios.

O preço médio do Colidis é de R$100 (embalagem com 5mL).

*Preço consultado em julho de 2020. Os valores podem sofrer alteração. 

Qual a diferença entre Colidis e Colikids?

Colikids é o antigo nome do Colidis. Dessa forma, o produto não sofreu alteração de fórmula, miligramagem ou forma de uso, apenas o nome de comercialização foi alterado.

Esse choro é cólica?

Quando os pequenos começam a chorar constantemente e sem motivo aparente, pais e mães costumam demonstrar ansiedade e preocupação. E as cólicas são apontadas como um problema relativamente comum nas primeiras semanas de vida.

Para ter certeza que a causa do choro é mesmo a dor abdominal, a dica é sempre descartar outros fatores, como a fome, a troca de fraldas ou mesmo o medo. Como ainda há muita novidade fora do útero, o bebê pode se sentir assustado. 

Por isso, algumas dicas simples para lidar com a situação são:

  • Busque um ambiente calmo para ficar com a criança;
  • Evite barulhos excessivos ou movimentos que possam causar mais agitação;
  • Dê banhos ou faça compressas mornas, pois podem acalmar ou mesmo aliviar cólicas;
  • Pegue o bebê no colo, converse em tom de voz suave e transmita tranquilidade.

Além disso, é importante dar atenção ao estado emocional da mãe, pois o cansaço, estresse e ansiedade podem afetar o pequeno também. 

O pediatra Tadeu Fernandes destaca que “cólicas, choro e irritabilidade em crianças que não estão ganhando peso, estão irritadas e agitadas diariamente em tempo integral tem que ser examinadas e investigadas outras causas, além da cólica do lactente”.

Ou seja, se for persistente e intensa, é indispensável buscar ajuda médica.


É comum que as crianças, especialmente os bebês, sofram com problemas intestinais como as cólicas e diarreia. Por isso, buscar ajuda de um(a) pediatra é essencial, a fim de entender o que está desencadeando o problema e possibilitar um tratamento.

Para auxiliar na maturação do intestino, de forma que se possa auxiliar na redução de desconfortos, o Colidis pode ser prescrito por pediatras, sempre aliado a outros hábitos de saúde e bem-estar.

Gostou desse conteúdo? Continue acompanhando o Minuto Saudável para mais informações!

Fontes consultadas

  • Tadeu Fernando Fernandes (CRM/SP – 46876). É especialista em Pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e Associação Médica Brasileira (AMB), especialista em Early Nutrition (ENS) pela Ludwig-Maximilians University Munich, tem Pós-Graduado em Nutrologia Pediátrica pela Boston University School of Medicine. É presidente do Departamento Científico de Pediatria Ambulatorial da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), membro da American Academy of Pediatrics – AAP Membership Effective.


Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.