Tudo sobre Azia (pirose): na gravidez, o que é, sintomas e mais

0

Se você já sofreu alguma vez com uma queimação no peito e que parecia subir até a sua garganta, muito provavelmente você sofreu de azia. O nome da doença é muito recorrente entre as pessoas, mas poucas sabem efetivamente o que ela representa.

Estudos apontam que 7% da população mundial sofre de azia diariamente, 15% semanalmente e 50% apresentam intervalos mensais. Já no Brasil, a incidência da azia na população varia de 7 a 10%.

Confira abaixo informações sobre esse mal, bem como seus sintomas, as causas, fatores de risco e tratamentos.

Índice – neste artigo você irá encontrar as seguintes informações:

  1. O que é Azia
  2. O que causa a Azia
  3. Fatores de risco
  4. Quais são os sintomas?
  5. A Azia na gravidez
  6. Como é feito o diagnóstico da doença?
  7. O tratamento e as complicações da Azia
  8. Como me prevenir da Azia

O que é Azia

Vinda da parte de trás do esterno, um osso localizado na parte anterior do tórax, a azia é uma sensação de queimação que começa um pouco acima do estômago e que, em determinados casos, pode subir até a garganta.

É bastante comum ela aparecer de forma ocasional, principalmente se você extrapolou um pouco na hora de comer. Porém, se essa sensação permanecer por diversos dias seguidos, pode ser consequência de um problema mais grave, como a Doença por Refluxo Gastresofágico (DRGE).

O que causa a Azia

A sensação de queimação característica da azia ocorre quando o suco gástrico produzido no estômago retorna até o esôfago. Isso acontece por conta de uma falha de um músculo que liga um órgão ao outro, o esfíncter. Em sua funcionalidade normal, esse músculo se abre apenas para permitir a passagem de um alimento ou líquido, fechando-se logo em seguida. Porém, quando ele se relaxa ou não se fecha por completo, o ácido produzido pelo estômago para realizar a digestão pode voltar.

Alguns fatores podem desencadear o aumento de produção do suco gástrico e, consequentemente, causar a azia. Confira a seguir quais são eles.

Fatores de risco

Alguns pesquisadores acreditam que a azia é causada pela má alimentação ou pelo consumo excessivo de determinados alimentos ou bebidas. Confira abaixo quais são:

  • Frutas cítricas;
  • Café;
  • Comidas gordurosas e frituras;
  • Condimentos e molhos;
  • Pimentas e pimentões;
  • Vinagre;
  • Refrigerante;
  • Bebidas alcoólicas.

Além desses itens, outras condições podem desencadear a doença:

  • Diabete;
  • Obesidade;
  • Escleroderma (doença do tecido conjuntivo);
  • Síndrome de Zollinger-Ellison;
  • Hérnia de hiato;
  • Fumantes;
  • Pessoas com demora no esvaziamento gástrico.

Quais são os sintomas?

Além da queimação no peitoral, como já mencionamos, outros sintomas podem aparecer quando a pessoa está com azia. É importante saber que nem todos os pacientes apresentam todos os sintomas de uma só vez, mas um ou outro pode vir a aparecer.

  • Má digestão;
  • Gosto amargo ou ácido na boca;
  • Subida do conteúdo do estômago até a garganta;
  • Arrotos;
  • Tosse;
  • Dor no peito.

Esses sintomas são mais intensos logo após as refeições e durante a noite e, as dores torácicas, quando a pessoa está deitada ou se dobra.

A Azia na gravidez

Mulheres grávidas tem grandes chances de ter azia pois, a placenta produz um hormônio chamado progesterona, que relaxa os músculos do útero e também a válvula que separa o esôfago do estômago. Além disso, conforme o crescimento do bebê, o estômago é empurrado para cima, o que facilita o refluxo do suco gástrico para o esôfago.

Se esse for o seu caso, é importante saber que talvez você não elimine de vez a azia, mas pode ajudar a reduzir os sintomas causados por ela. Confira as dicas:

  • Evite comer alimentos gordurosos, frituras, chocolate, frutas cítricas, sucos, bebidas alcoólicas e café;
  • Alimente-se de forma fracionada e em pequenas porções;
  • Coloque pouca quantidade de comida na boca e mastigue bem;
  • Não beba líquidos enquanto faz a sua refeição;
  • Se você fuma, tente parar;
  • Se a azia tiver pioras durante a noite, tente não comer e nem beber nada três horas antes de se deitar;
  • Tente dormir numa posição semi-sentada, pois assim sua cabeça fica elevada e os ácidos do estômago ficam em seu devido lugar;
  • Se você faz uso de algum medicamento, verifique se a azia não é efeito colateral dele;
  • O antiácido pode aliviar os sintomas da azia, mas você deve primeiro conversar com seu médico para ver se a medida é recomendada.

A azia é muito comum em mulheres grávidas, mas se os sintomas vierem juntos com outros, como dor, o problema pode ser mais grave, como por exemplo:

  • Se a sua dor foi abaixo das costelas, pode significar que seja pré-eclâmpsia, uma disfunção dos vasos sanguíneos;
  • Se a dor for do lado direito, no alto da sua barriga, e também apresentar enjoo, pode ser um problema de fígado;
  • Independente da gravidez, você pode ter um problema digestivo ou úlcera.

Caso a sua situação se encaixe em uma dessas três acima, consulte o seu médico para verificar.

Como é feito o diagnóstico da doença?

Quando você perceber que a azia está te perseguindo por dias seguidos ou quando você se encaixar em alguma das situações abaixo, procure um médico o quanto antes.

  • Azia ocorre mais de duas vezes na semana;
  • Os sintomas persistem mesmo com a administração de antiácidos;
  • Ardor, pressão, aperto ou dor muito forte no peito às vezes esses sintomas podem não ser de azia, mas sim de ataque cardíaco;
  • Dificuldade para engolir;
  • Perda de peso por falta de apetite;
  • Náuseas ou vômitos persistentes;
  • Vômitos com sangue ou com aspecto de borra de café;
  • Fezes pretas (como piche) ou avermelhadas;
  • Tosse ou dificuldade para respirar;
  • Suspeita de que a azia seja por conta do uso de algum medicamento.

O especialista a quem você deve recorrer é o gastroenterologista. Durante a consulta, ele irá te perguntar quais são os sintomas que você vem sentindo e quando começaram. Na maioria dos casos, o médico diagnostica a azia apenas pelo exame clínico. Porém, quando há a suspeita de que a doença é derivada de uma outra mais grave, ele pode prescrever alguns exames:

  • Raio-X da parte superior do sistema digestório;
  • Endoscopia;
  • Cintilografia;
  • Teste de monitoramento do pH;
  • Teste de monitoramento do movimento do esôfago.

O tratamento e as complicações da Azia

O tratamento para a azia baseia-se em reduzir ou controlar a quantidade de suco gástrico que é produzida no estômago. Para isso, algumas categorias de medicamentos são indicadas:

  • Antiácidos: ajudam a neutralizar o ácido produzido.
  • Bloqueadores de receptores de histamina H2: reduzem a produção de ácido gástrico produzido.
  • Inibidores de bomba de prótons: bloqueiam a produção de ácido gástrico e ajudam a curar o esôfago.

Dentre os medicamentos comercializados, os mais comuns de serem usados no tratamento da azia são:

Lembre-se que a automedicação não é apropriada em caso algum. Consulte um médico de sua confiança antes de qualquer decisão.

Atenção!

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas nesse site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica.

Tratamento fitoterápico

Algumas plantas medicinas possuem funções que ajudam a controlar os sintomas da azia:

Complicações

Como dito no início do texto, se os sintomas da doença forem frequentes e também interferirem na rotina da pessoa, o problema já não é mais azia e sim Doença do Refluxo Gastresofágico.

Como me prevenir da Azia

Para se prevenir desse mal, você deverá mudar alguns dos seus hábitos de vida. Confira algumas dicas a seguir:

  • Mantenha um peso saudável;
  • Tenha uma cardápio selecionado;
  • Consuma mais legumes e frutas – tomando cuidado com as cítricas;
  • Faça refeições nas horas certas;
  • Não exagere na hora de comer;
  • Não faça exercícios logo após de se alimentar;
  • Não beba leite gelado durante uma crise, pois o alívio é apenas momentâneo e, em alguns casos, a azia pode até piorar;
  • Reduza o consumo de refrigerante;
  • Não beba café logo após o almoço;
  • Se for tomar chá, prefira os mais claros ou os verdes, pois o mate e o preto provocam o relaxamento do esfíncter;
  • Evite o álcool e o cigarro;
  • Não ingira líquidos durante as refeições;
  • Não deite ou sente logo após as refeições;
  • Pessoas com sobrepeso ou obesidade tem maior probabilidade de possuírem os sintomas da azia;
  • Evite usar roupas muito justas ou cintos na região abdominal.

Além dessas medidas acima, o consumo de alguns alimentos também ajudam na prevenção dos sintomas da azia.

  • Limão;
  • Arroz integral;
  • Maçã sem casca;
  • Manjericão e alecrim frescos;
  • Chá de camomila.

Se você sofre, ou já sofreu desse mal, aposte nas diversas dicas que demos ao longo do texto que a diminuição dos sintomas da azia é certa. Compartilhe o artigo com seus conhecidos e nos ajude a propagar essas informações.

Referências
http://www.criasaude.com.br/doencas/azia.html
http://www.minhavida.com.br/saude/temas/azia
http://www.tuasaude.com/azia/
http://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/heartburn/basics/definition/con-20019545
http://brasil.babycenter.com/a1500486/azia-na-gravidez
http://zh.clicrbs.com.br/rs/vida-e-estilo/vida/bem-estar/noticia/2015/06/conheca-cinco-alimentos-que-ajudam-a-evitar-a-azia-4774176.html#

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Deixe o seu comentário, nos preocupamos com sua opinião:

Por gentileza, escreva seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui

Lamentamos a não possibilidade de dar-lhe conselho médico ou responder a questões médicas e farmacêuticas individuais através de e-mail, pois apenas um médico pode prestar tal atendimento. Embora tentemos responder a todos os comentários, opiniões e e-mails que recebemos em até dois dias úteis, nem sempre é possível devido ao grande volume que recebemos. Por favor, tenha em mente que qualquer solicitação ao Minuto Saudável está sujeita aos nossos Termos de Uso e Política de Privacidade, ao enviar, você indica sua aceitação.