A música é parte do nosso dia a dia e, para muitas pessoas, ela é indispensável. Nesses casos, acaba sendo uma válvula de escape e um grande prazer. Assim, trazendo benefícios ao bem-estar e proporcionando até mesmo alívio de algumas tensões.

Porém, a música não é só benéfica aos adultos. Do contrário, ela também pode ser positiva para as crianças e os bebês. Entenda melhor como isso funciona:

Índice — neste artigo você vai encontrar:

  1. Quais os benefícios da música para bebês e crianças?
  2. Quando posso colocar música para o bebê ouvir na barriga?
  3. Qual tipo de música escolher para o bebê ouvir?

Quais os benefícios da música para bebês e crianças?

A música é uma forma de arte intrigante e já foi muito pesquisada pelas áreas da psicologia e da medicina.

Atualmente, sabe-se que a música consegue mexer não apenas com a percepção sonora, mas também com diversas outras áreas do cérebro — como a área motora, por exemplo.

Tendo isso em mente, não é difícil entender porque a música pode trazer alguns benefícios ao desenvolvimento de bebês e crianças pequenas, não é mesmo?

Nesse sentido, algumas pesquisas mostram que a exposição à música ajuda na ativação de certas áreas do cérebro que auxiliam no desenvolvimento da criança. Portanto, a música pode não apenas ser uma forma de arte, mas também uma verdadeira aliada no crescimento do bebê!

Além disso, pode ser tão benéfica para o desenvolvimento da criança que existem até mesmo aulas de musicalização infantil, que auxiliam crianças a se familiarizar com essa forma de expressão.


Alguns dos benefícios que músicas podem trazer aos bebês e crianças pequenas são:

Relaxar e dormir

Músicas calmas ajudam qualquer um a dormir, inclusive os bebês!

Se o objetivo é ajudar o bebê a dormir, canções de ninar cantadas pela mãe ou pelos principais cuidadores são ótimas opções. Isso porque a voz da mãe é ouvida desde antes do bebê nascer, e ele tem grande familiaridade com ela.

A voz dos cuidadores sempre tranquiliza o bebê, pois ele sabe que são pessoas em quem ele confia. Por isso, ouvir a voz de uma pessoa confiável entoando canções de ninar é uma ótima receita para o bebê dormir.

E alguns sons de músicas calmas (próprias para dormir) podem trazer vibrações sonoras que remetem ao útero, deixando o bebê se sentindo ainda mais seguro e confortável.

Estimular as brincadeiras

Músicas animadas podem estimular brincadeiras que auxiliam no desenvolvimento cognitivo e motor. Contudo, é preciso destacar que as músicas não são capazes de fazer todo esse trabalho sozinhas.

Para isso, é necessário que os cuidadores estejam estimulando o bebê também, fazendo-o bater palminhas ou os pézinhos no ritmo da música, por exemplo, ou cantando junto e ensinando o bebê a compreender o ritmo da música.

Dessa forma, o bebê vai aos poucos assimilando a música a momentos de prazer e, ainda, a partir de exercícios como esse, há uma melhora no vínculo afetivo entre os cuidadores e o bebê.

Vale lembrar que a música também libera endorfinas, substância conhecida como “hormônio do bem-estar”, que promove sensações boas às crianças e aos bebês.

A música é uma excelente ferramenta para estimular as brincadeiras e interações entre as crianças.

Aprender novas palavras

Programas infantis são recheados de músicas repetitivas por um motivo: auxiliar no aprendizado da linguagem.

Sabe quando uma música gruda na cabeça e você não consegue esquecer dela de jeito algum? Isso ocorre nas crianças também, o que as ajuda a fixar as palavras aprendidas com as músicas infantis!

Sendo assim, a música não apenas diverte como também ajuda a criança a aprender a se comunicar, tanto pela expressão corporal (pela dança, pelos movimentos rítmicos etc.) quanto pela aprendizagem de palavras.

Estimular a criatividade e imaginação

A música é um poderoso instrumento para que o bebê ganhe conhecimento do mundo, descobrindo novos sons e novas maneiras de se expressar, que por sua vez são a base da imaginação e da criatividade.

Dessa maneira, ouvir música também pode ajudar o pequeno a aumentar o seu repertório de comportamentos para expressar o que sente.

Melhoras na atenção e memória

Algumas das capacidades cognitivas que melhoram com a musicalização são a atenção e a memória.

Quando a criança começa a ter noção de ritmo, por exemplo, ela estimula essas duas capacidades cognitivas, que são necessárias para que ela consiga manter o ritmo — seja ouvindo, seja dançando, cantando ou tocando um instrumento.

Contato com o pensamento lógico-matemático

Apesar de muita gente separar a arte das exatas, na realidade, diversas artes dependem do raciocínio lógico-matemático para serem realizadas — a música é uma delas.

Composta por tempos, escalas, tons e semitons, o que existe por trás da música é pura matemática aplicada.

Portanto, compreender música é, inevitavelmente, ter contato com esse tipo de lógica, que pode auxiliar no aprendizado da matemática e outras ciências exatas quando a criança crescer.

Quando posso colocar música para o bebê ouvir na barriga?

A audição é o primeiro sentido a ser formado durante a gestação e, por isso, o som ajuda no desenvolvimento do bebê desde o útero. Por isso, colocar música para o bebê ouvir dentro da barriga pode ajudar a aperfeiçoar esse sentido antes mesmo do nascimento.

O bebê começa a ouvir entre a 26ª e a 30ª semana de gestação, momento no qual é possível ver ele respondendo aos sons que capta no ambiente. Neste momento, a mãe é encorajada a conversar com o bebê, para que ele se acostume com a sua voz.

Embora seja um pouco mais difícil para o bebê ouvir os barulhos externos à mãe, também é possível colocar música para ele ouvir.

Algumas mães gostam de colocar músicas e cantar para criar um vínculo com o bebê, inclusive elas podem associar essas músicas à época da gravidez, o que pode gerar boas lembranças desta fase da vida.

Qual tipo de música escolher para o bebê ouvir?

O tipo de música a ser colocada para o bebê ouvir depende do seu objetivo.

Se você planeja deixá-lo confortável, seguro e relaxado, músicas calmas com instrumentos suaves podem ser uma boa ideia. Evite músicas com sons muito estridentes, pois tais sons costumam provocar agitação (inclusive em crianças maiores).

Já se você pretende brincar ou dançar com o bebê, músicas mais agitadinhas podem ser uma boa escolha. Não é necessário que sejam músicas infantis quando o objetivo é ensinar questões como ritmo e dança, por exemplo.

No entanto, se você gostaria de apresentar novas palavras à criança e ajudá-la a decorá-las, então, músicas infantis que focam na expansão do vocabulário são boas alternativas.

Alguns exemplos de músicas assim são aquelas que falam sobre animais, sobre a natureza, sobre objetos do dia-a-dia, entre outras. Dessa forma, a criança vai aos poucos adquirindo o vocabulário presente nestas canções e pode melhorar a fala.


A música pode ser uma grande aliada durante o desenvolvimento dos bebês e das crianças, colaborando para o aprendizado, às habilidades motoras e até mesmo para o convívio social 

Há, inclusive, muitos profissionais focados nessa linha de pesquisa e trabalho. Então, se você desejar um acompanhamento ainda mais completo e efetivo, vale contar com esse suporte.

E continue acompanhando o Minuto Saudável para ter acesso a mais conteúdos como esse!


Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.