Os gatos são os pets favoritos de muitas pessoas. E a ração correta ajuda a manter o felino bonito e saudável.  

Existem dois tipos de ração para gatos: a seca e a úmida. 

A principal diferença entre eles é a consistência. A ração seca costuma ser apresentada em pequenas bolinhas ou grãos, enquanto a ração úmida é apresentada em sachê, patês ou latas, em forma mais pastosa.

Em grande maioria dos casos, ambas são feitas com milho e trigo, podendo conter pedaços de carne seca, peixe ou legumes desidratados.

Em relação ao valor nutritivo, ambas são semelhantes, mas algumas características ajudam na hora de escolher a mais adequada ao bichinho.  

Benefícios e desvantagens de cada ração

As vantagens de cada tipo de ração são:

Rações secas

  • Mais práticas de servir;
  • Costumam ser mais baratas;
  • Podem ser deixadas por longos períodos no potinho.

Rações úmidas


  • Facilitam a mastigação e a digestão;
  • Contêm grande quantidade de água, o que ajuda o gato a se manter hidratado;
  • São menos calóricas.

Por outro lado, as desvantagens são:

Rações secas

  • São difíceis de serem mastigadas e digeridas por filhotes e gatos idosos;
  • Contêm pouca quantidade de água;
  • Pode favorecer o aparecimento de complicações renais e urinária.

Rações úmidas

  • Geralmente, são mais caras;
  • Devem ser consumidas em poucas horas depois de abertas;
  • Podem ter altas concentrações de corantes e sódio.

Apesar de cada tipo ter pontos positivos e negativos, a escolha vai depender da aceitação do gato. Por isso, se o bicho não demonstra interesse em comer, tente outro tipo ou sabor.  

Se o gato não estiver se adaptando com nenhum tipo de ração, deve-se levá-lo ao médico veterinário, que poderá analisar o que está acontecendo. 

Como escolher a ração?

Com tantas opções, é difícil escolher a ração correta, principalmente se o pet é filhote, idoso ou está acima do peso. 

Por isso, aqui estão dicas e sugestões para escolher a ração ideal para cada fase do bichano: 

Gatos filhotes 

Até os primeiros 30 dias, o filhote felino deve amamentar-se do leite da mãe. Depois desse tempo, ele pode começar a ingerir rações pastosas, que são mais fáceis de mastigar.

Com 4 meses, o filhote deve fazer cerca de 6 pequenas refeições ao longo do dia. 

Depois desse tempo, é recomendado que se diminua o número de refeições até que, ao completar 6 meses, o gatinho esteja fazendo no máximo 3 refeições completas por dia. 

A partir dessa idade, o bichano começa a desenvolver intolerância à lactose, por isso, rações e alimentos com essa substância devem ser evitados. 

A ração dos filhotes é diferenciada da ração para os adultos, isso porque, no início da vida, os pequenos precisam de mais nutrientes para crescerem fortes e saudáveis.

Essas são as substâncias que não podem faltar na ração dos filhotes: 

  • Arginina: esse aminoácido é responsável pela proteção do corpo do gato, auxiliando no sistema imunológico; 
  • Taurina: outro aminoácido importante para o bom desenvolvimento cardiovascular do filhote;  
  • Vitamina A: ajuda a desenvolver a visão. Se o filhote consumir uma quantidade insuficiente, pode ficar cego o decorrer da vida.  

Prefira as rações de origem animal que tendem a possuir mais quantidade de nutrientes. 

Como o sistema digestivo do gatinho ainda não se acostumou com alimentos muito sólidos ou secos, opte pelas rações “molhadas” que contribuem para a digestão. 

Gatos idosos 

A ração para gatos velhinhos costuma ser mais macia e aerada, para facilitar a mastigação e a digestão, que podem ficar mais limitadas com a idade do pet. 

Essa pode ser a escolha quando o animal já passa dos 8 anos, já que a expectativa de vida dos bichanos varia entre 10 e 15 anos. 

Algumas substâncias (como a glucosamina e a condroitina) que compõem essas rações são ideais para amenizar as complicações nos ossos e articulações. 

Nessa época da vida, os bichanos não costumam ser muito agitados e, por isso, as rações sênior não contêm grandes fontes de energia. 

Gatos obesos 

O excesso de peso pode diminuir a expectativa de vida do gato, diminuir a qualidade de vida e ainda causar problemas de saúde quando ele estiver velhinho. 

Por isso, as rações que contêm menos calorias são, em geral, as mais recomendadas para gatos obesos.  

O mercado dos pets já comercializa rações light, que contêm menos gorduras e mais fibras e proteínas. 

Um médico veterinário é o mais indicado para recomendar o tipo e a quantidade ideal de ração que o seu felino deve ingerir por dia. 

Qual a melhor ração para gatos castrados? 

Para oferecer uma ração ideal para o pet castrado, dê preferência para às que contêm menos calorias e gorduras. Algumas marcas conseguem reduzir até 20% do valor calórico em comparação à normal. Isso porque a quantidade de fibras é aumentada enquanto as gorduras são reduzidas ou substituídas por proteínas. 

A castração dos gatos tem alguns benefícios como evitar doenças e gravidez indesejada. 

Por outro lado, essa prática pode facilitar o ganho de peso do animalzinho, já que ele faz menos exercícios e tem maior apetite.

Isso acontece porque, com a retirada dos órgãos sexuais (testículos e ovários), a quantidade de hormônios diminui e o ocorre uma desaceleração metabólica. 

Para ajudar o pet e evitar a obesidade, você pode estimular a atividade física com bolinhas e prateleiras, além de diminuir a quantidade de ração que é colocada no potinho.    


A ração ideal para o seu gato pode torná-lo mais ativo, bonito e saudável. Em caso de dúvidas, leve o animalzinho ao veterinário. 

O Minuto Saudável tem outras informações sobre o universo pet. Confira nossas postagens!!!


Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *