Ir ao psicólogo pode ser um modo de aprender a lidar com os sentimentos e emoções de uma maneira mais saudável.

Não é preciso ter um distúrbio de aprendizado, alteração cognitiva ou qualquer outra dificuldade social. Pois a terapia é eficaz para lidar também com aquelas rotinas estressantes ou conflitos internos.

Índice – neste texto você vai encontrar as seguintes informações:

  1. O que é psicologia?
  2. Para que serve a psicologia?
  3. Especialidades e áreas de atuação
  4. Por que procurar um psicólogo?
  5. Como funciona uma consulta com o psicólogo?
  6. Psicólogo online
  7. Teste psicológico na internet
  8. Faculdade de psicologia
  9. Conselho Regional e Federal de Psicologia
  10. Qual a diferença entre um psicólogo, um psiquiatra e um psicanalista?
  11. Qual a importância do psicólogo na saúde?
  12. Onde o psicólogo pode trabalhar?
  13. Quanto ganha um psicólogo?
  14. Símbolo da psicologia

O que é psicologia?

A psicologia é a ciência que busca estudar o comportamento humano e animal, e todos os seus processos mentais, ou seja, a personalidade, o sistema nervoso, as inteligências, a aprendizagem, as emoções, o desenvolvimento humano, sua subjetividade e complexidade.

Para a psicologia, o nosso mundo subjetivo (íntimo, individual, interno) é construído a partir da interação do mundo social e cultural (a sociedade e a cultura que nos rodeiam) e da nossa atuação sobre esse mundo.

Pode ser utilizada tanto para o tratamento de questões mentais ou transtornos, como também outras aplicações.

Pode ser utilizada pela publicidade, por exemplo, para vender um produto com mais eficiência, ou então na gestão de funcionários de uma empresa, no setor de recursos humanos.

No momento, atuam no Brasil 324.868 psicólogos. No código de ética desses profissionais está previsto o respeito e a promoção da liberdade, da dignidade, da igualdade e da integridade do ser humano, bem como a promoção da saúde e qualidade de vida das pessoas e das coletividades.


Através desse trabalho, o profissional deve contribuir para a eliminação de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, crueldade e opressão.

Nesse sentido, o psicólogo também deve levar em conta as relações de poder e seus impactos na atividade profissional, sempre promovendo os princípios de vida digna previstos no Código de Ética dos Psicólogos.

Para que serve a psicologia?

A psicologia possui diversas funções, mas poderíamos dizer que a principal e mais relevante é o estudo do comportamento e das funções mentais.

Em suma, os psicólogos buscam entender o papel das funções mentais no comportamento individual e social, sendo que, para isso, também estudam os processos fisiológicos e biológicos ligados ao comportamento e às funções cognitivas.

Ou seja, de maneira reduzida, enquanto ciência, a psicologia serve para entender melhor o ser humano e o que faz ele agir do jeito que age.

É a partir desses preceitos e desses estudos que a psicologia consegue se apropriar de diversas tarefas e exercer inúmeras funções que vão desde o tratamento de transtornos (psicoterapia) até o desenvolvimento de campanhas publicitárias mais eficazes.

A resposta para essa pergunta é “não”, pois, na psicologia, corpo e mente são estudados de maneira integrada, justamente para que a pergunta “por que fazemos o que fazemos?” seja mais coerente com a realidade.

E podemos ir além na reflexão, questionando se a mente e corpo não são polaridades pertencentes a uma individualidade, como dois lados da mesma moeda.

São alguns dos tópicos explorados pela psicologia:

  • Percepção: como as funções cerebrais atribuem significado aos estímulos sensoriais (visão, audição, tato, paladar, olfato, propriocepção etc);
  • Cognição: os processos pelos quais as pessoas adquirem e desenvolvem conhecimento e habilidades;
  • Atenção: como o ser humano se concentra mentalmente em algum assunto ou objeto;
  • Emoção: experiências subjetivas, resultantes de um estímulo do ambiente;
  • Inteligência: a capacidade de um indivíduo para diferentes funções, como a lógica, abstração, memorização, comunicação, aprendizado e outros;
  • Personalidade: como as particularidades humanas influenciam o comportamento de um indivíduo ou grupo social;
  • Comportamento: como as funções mentais interferem no comportamento dos indivíduos e grupos sociais;
  • Relacionamentos interpessoais: como as pessoas se comunicam, o que garante o sucesso ou o fracasso dos processos comunicativos;
  • Resiliência: a capacidade de um indivíduo lidar com problemas, adaptar-se a mudanças ou resistir à pressão e situações adversas.

Dentro disso, eles acabam sendo responsáveis, também, pelo desenvolvimento e aplicação de testes psicológicos e pela construção de escalas que buscam compreender os processos mentais (atenção, linguagem, concentração, memória, etc) para adereçar problemas como a depressão, mas também para outras finalidades, como a psicologia forense (aplicação da psicologia no âmbito jurídico).

Quais são as áreas que um psicólogo pode atuar?

Existem diversas áreas em que o psicólogo pode atuar e, diferente do que muitos acreditam, a profissão não se resume a atender pacientes no consultório. As que listamos a seguir são apenas uma parcela das possibilidades de atuação do psicólogo. Confira:

Psicologia

Psicologia infantil

A psicologia infantil é importante para o desenvolvimento adequado das crianças.

O profissional dá atenção aos processo de formação, que podem envolvem ou não distúrbios.

Ou seja, às vezes, há problemas de contexto escolar, familiar ou íntimos que afetam o bom desenvolvimento da criança. Outras vezes, o psicólogo acompanha distúrbios ou patologias que podem afetar a convivência social.

Assim como para os adultos, a terapia pode ser uma boa aliada na formação e na vida do paciente, ainda que seja na infância.

Psicologia clínica

A psicologia clínica visa estudar e tratar os distúrbios mentais e os aspectos psíquicos de outras doenças nãos mentais.

Possui uma ampla área de atuação, sendo que os profissionais podem trabalhar aplicando testes, para medir as performances individuais, e com a psicoterapia.

Psicologia organizacional

A psicologia organizacional busca estudar fenômenos psicológicos presentes nas organizações, atuando principalmente sobre problemas organizacionais relacionados à gestão de Recursos Humanos (RH).

É a segunda maior área de atuação dos psicólogos, representando aproximadamente 23% dos profissionais que trabalham na área.

Dentre suas principais atividades podemos incluir:

  • Análise de cargos e salários;
  • Seleção e recrutamento de novos funcionários;
  • Aplicação de testes psicológicos;
  • Realização de pesquisas internas sobre os sentimentos e emoções dos funcionários;
  • Treinamento de habilidades dos funcionários;
  • Resolução de conflitos entre funcionários;
  • Desenvolvimento de sistemas de avaliação de desempenho;
  • Avaliação da eficácia de uma prática específica;
  • Promoção da qualidade de vida no ambiente de trabalho;
  • Tutorização  e ambientação de novos funcionários.

Psicologia educacional

A psicologia educacional estuda os processos de aprendizado e educação.

Não trabalha exclusivamente com crianças, mas com todos os pacientes que estão tendo problemas de aprendizado, sempre visando criar intervenções para que as pessoas possam aprender melhor e desempenhar suas funções com qualidade.

Também busca verificar a eficácia das estratégias educacionais e o funcionamento das instituições escolares para o desenvolvimento de um ambiente mais efetivo no cumprimento de suas metas.

Trabalham em conjunto com outros profissionais, como docentes e pedagogos, para que o processo educativo tenha mais impacto na vida dos alunos, focando sua ação nas atividades  além do ambiente escolar.

Muitos dos psicólogos dessa área concentram sua atuação no desenvolvimento das capacidades e necessidades de crianças com dificuldade de aprendizagem, como crianças com déficit de atenção e hiperatividade, bem como pacientes com problemas emocionais e comportamentais.

Psicologia do esporte

Ainda é uma área da psicologia bastante recente, entretanto, em ascensão. O psicólogo do esporte vai trabalhar com as emoções, pensamentos e comportamentos que afetam os atletas e praticantes de atividade física.

Ao contrário da psicologia clínica, por exemplo, a do esporte desenvolveu suas próprias teorias para analisar os pensamentos e comportamentos que afetam o desempenho dos atletas em campo, ajudando-os a lidar melhor com suas emoções em situações de pressão extrema, como jogos de campeonato.

Psicologia da saúde

A psicologia da saúde busca, através dos instrumentos dados pela psicologia, trabalhar no desenvolvimento e na preservação da saúde, atuando na profilaxia (prevenção de doenças) e na cura das enfermidades.

Profissionais dessa área de atuação normalmente trabalham em hospitais, atendendo pacientes enfermos e seus familiares, buscando melhorar a qualidade de vida e ajudá-los a superar seus problemas, trabalhando suas emoções e a maneira como lidar com elas em meio às doenças ou recuperação..

Psicologia do desenvolvimento

A psicologia do desenvolvimento tem como principal foco de estudo as mudanças que acontecem no ser humano ao longo do seu desenvolvimento, ou seja, como todas as interações com o ambiente atuam no desenvolvimento cognitivo, afetivo, social e psicomotor.

Dessa forma, o psicólogo do desenvolvimento vai analisar os processos pelos quais todas as crianças, desde o nascimento, passam até que desenvolvam determinada habilidade.

Ou seja, se o desenvolvimento está ocorrendo no tempo certo, quais fatores extra-emocionais estão promovendo ou impedindo aquisições psicomotoras e outros fatores.

Para dar um exemplo, ela busca saber se o recém-nascido já sabe mamar no peito da mãe ou se tem de ser ensinado pela mãe a mamar no bico do peito.

A partir de toda a base teórica criada pelos estudos feitos na área, os profissionais podem acompanhar o desenvolvimento das crianças, identificando eventuais problemas e oferecendo tratamento.

Psicologia forense e jurídica

A psicologia forense e a psicologia jurídica têm como objetivo aplicar os conhecimentos da área no âmbito da justiça e da aplicação das leis.

O papel do profissional forense ou jurídico é o de fornecer recursos científicos (análises, laudos, avaliações, etc) para ajudar os profissionais jurídicos (advogados, promotores, juízes) a aplicar a justiça.

No sentido criminal, o profissional dessa área vai estudar tudo que se refere ao comportamento do criminoso, ou seja, seu histórico de vida, possíveis transtornos, o que o levou à criminalidade e, a partir desses dados, fornecer possíveis soluções.

Entretanto, o psicólogo forense/jurídico também pode trabalhar com casos civis. Por exemplo, pode ser que, durante um processo de separação, uma parte acuse a outra de ser negligente e peça a guarda total da criança.

Nesse momento, o profissional entra em cena e deve analisar todo o contexto, a vida da criança, dos pais e demais pessoas envolvidas no processo, e fornecer um laudo para o juiz chegar à decisão correta.

Psicologia social

A psicologia social tenta entender os “comos” e os “porquês” do comportamento social. Por essa razão, o profissional acaba atuando sobretudo em penitenciárias, asilos e centros de atendimento para crianças e adolescentes.

O profissional faz uma ligação entre o comportamento social e a compreensão individual, ou seja, entre as áreas da sociologia e da psicologia, dando maior atenção à ação das coletividades ou do homem quando está interagindo.

É possível que as pesquisas psicossociais se estendam para outros segmentos, como o marketing e para a propaganda, na elaboração de campanhas, por exemplo.

Psicologia do trânsito

O psicólogo do trânsito trata de problemas relacionados ao trânsito fazendo avaliações psicológicas em condutores e futuros motoristas, bem como desenvolve ações socioeducativas com pedestres e condutores infratores.

Neuropsicologia

O neuropsicólogo atua no diagnóstico, acompanhamento, tratamento e pesquisa da cognição, das emoções, da personalidade e do comportamento sempre relacionando os dados coletados com os aspectos do funcionamento cerebral.

Por que procurar um psicólogo?

Existem muitas razões para se procurar um psicólogo e muitos benefícios em começar a fazer terapia, a qual, na maioria dos casos, é um recurso para lidar melhor com emoções comuns do ser humano.

Vale lembrar que toda consulta é baseada na confidencialidade e ética profissional.

Tudo que é dito em uma sessão de psicoterapia é confidencial, o que fornece segurança para que você fale sobre o que quiser.

Confira agora as principais razões para ir ao psicólogo:

Autoconhecimento

Uma das razões para se ir ao psicólogo é a busca por autoconhecimento. Através da construção do diálogo, uma pessoa pode aprender mais sobre si mesma, sobre seus medos, seus desejos e anseios.

Ao longo das sessões, o objetivo da terapia é fazê-la começar a compreender as razões pelas quais age do jeito que age, o porquê de ter sentido o que sentiu, e isso tem como consequência direta um aumento na qualidade de vida, pois a partir desses conhecimentos, a pessoa aprende a lidar melhor com os próprios sentimentos.

Isso não significa dizer que a pessoa que frequenta o psicólogo não terá momentos difíceis na própria vida, mas sim que ela será mais resiliente e terá mecanismos mais saudáveis para contornar essas situações e seguir em frente.

Lidar melhor com sentimentos ruins

A ansiedade, a tristeza, a raiva e o desânimo são sentimentos bastante incômodos pelos quais todo mundo passa. Entretanto, algumas pessoas têm mais facilidade em lidar com eles e outras nem tanto.

Através das sessões, eles podem ajudar os pacientes e lidar melhor com as emoções, auxiliando o paciente a encontrar os melhores meios para contornar as situações do dia a dia.

Superar situações difíceis e grandes mudanças

Situações como a morte de um ente querido ou a separação dos pais, por exemplo, são sempre muito complexas e podem gerar nos envolvidos um turbilhão de sentimentos que, muitas vezes, são difíceis de lidar.

É comum que sentimentos como culpa ou luto continuem presentes mesmo anos após um acontecimento marcante.

O psicólogo é o profissional capacitado a ajudar nesses momentos, e pode ajudar seu cliente a superar essas dificuldades através de reflexões, ressignificação e outras dinâmicas que ocorrem durante o processo psicoterapêutico.

A mesma coisa acontece com pacientes que receberam um diagnóstico de alguma doença grave e que devem aprender a conviver com ele.

Psicólogos de diversas áreas ajudam diariamente as pessoas a lidar com esses problemas.

Resolver dificuldades no relacionamento

Casais que estão tendo problemas de relacionamento podem procurar a ajuda de um psicólogo para compreender e buscar soluções para seus conflitos.

Através de seu olhar poderá analisar as reclamações de ambas partes e intermediar o processo, ajudando o casal a superar ou modificar a maneira como lidam com a sua crise.

Tratar de transtornos psicológicos

Os transtornos mentais podem necessitar de tratamento medicamentoso, que é feito pelos psiquiatras. Contudo, um tipo de tratamento muito importante para esses diagnósticos é o tratamento com o psicólogo.

Segundo uma pesquisa feita em conjunto pela Universidade de Vanderbilt, Universidade da Pensilvânia, Universidade do Novo México e Universidade Rush, pacientes que necessitam de medicamentos para depressão têm melhores resultados quando são combinados com a psicoterapia.

O que consiste, de maneira geral, do uso de medicamentos prescritos e acompanhamento com o psicólogo.

Ao juntar as duas áreas da saúde mental (psicologia e psiquiatria), o paciente tem mais chance de obter sucesso em seu tratamento, aprendendo a lidar melhor com a doença e suas implicações no cotidiano.

Como funciona uma consulta com o psicólogo?

As consultas no psicólogo em geral tem uma dinâmica semelhante.

Acontecem em sessões semanais que duram em torno de 30 minuto a 1 hora, e seu formato depende da abordagem psicoterapêutica seguida pelo psicólogo. A frequência pode variar de acordo com as necessidades de cada quadro.

Durante a primeira sessão, e na sequência do processo, o psicólogo buscará informações diversas, desde os dados gerais como nome, profissão, incluindo a motivação que o levou a procurar a terapia.

Não há a necessidade de ter a resposta para todas as perguntas, afinal, uma das coisas que você estará buscando na sessão é o autoconhecimento.

Dependendo da abordagem terapêutica adotada pelo profissional, pode ser que ele faça sessões com associação livre, em que você tem liberdade total para escolher o tema, ou então ele mesmo pode sugerir assuntos.

É importante que o psicólogo aborde assuntos delicados e difíceis para você, como problemas de relacionamento ou mesmo traumas pessoais.

Um profissional capacitado sabe a importância de refletir sobre certos assuntos e irá levar em consideração a maneira adequada de abordar os assuntos.

Além disso, é preciso lembrar que tudo que é falado numa sessão de psicoterapia, exceto quando o paciente fala em machucar a si mesmo ou a terceiros, é de caráter privado e está protegido pelo sigilo profissional.

Portanto, não tenha medo de falar sobre os dramas que te afligem. O momento da psicoterapia é um momento seguro para você expor o que quiser.

Psicólogo online

No Brasil, é previsto pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP) a possibilidade de atendimento psicológico online. A resolução foi atualizada em 2018 para que os profissionais da área possam oferecer consultas ou atendimentos psicológicos de diferentes áreas, inclusiva psicoterapia, com o uso da internet de forma regulamentada e atendendo a critérios profissionais.

Segundo o Conselho, o profissional também pode utilizar a internet para processos de seleção de pessoal e realizar testes psicológicos, como em um RH. Contudo, não é todo tipo de atendimento que pode ser feito online.

Crianças e adolescentes devem continuar sendo atendidos presencialmente, exceto nos casos em que há a autorização de pelo menos um dos responsáveis. Atender pessoas ou grupos em situações de urgência ou emergência também deve ser feito somente de forma presencial.

Além disso, o atendimento de pessoas que sofreram violência ou tiveram seus direitos violados também só deve ser de modo presencial, pois a prática da psicologia online ainda se mostra inadequada nesses casos.

Controvérsia dos apps

Recentemente, nos EUA, uma empresa que fornece atendimento psicológico online, a Better Help, se envolveu em uma polêmica por conta da falta de seguridade fornecida aos clientes.

O serviço fornecido pelo app é simples: depois de fazer um teste de perfil, o app conecta seus clientes a psicólogos, usando o resultado do teste como base para indicar um  psicólogo que supostamente corresponda às necessidades do usuário.

A controvérsia surgiu, entretanto, por conta dos termos de uso do aplicativo, que diziam que a empresa não era responsável por checar se psicólogo cadastrado no serviço realmente tinha as competências que ele dizia ter.

Teste psicológico na internet

É fácil encontrar testes psicológicos na internet. Eles são os mais variados possíveis e podem ser aqueles que dão traços de personalidade ou pretendem indicar a saúde mental.

Em geral, eles podem ser feitos, mas é preciso levá-los mais como um passatempo do que um diagnóstico efetivo.

Vale lembrar que apesar de haver consultas e terapias online, que muitas vezes são bastante eficazes para auxiliar os pacientes, somente um profissional capacitado pode indicar se há algum fator emocional que precisa de atenção.

Por isso, a busca por informações em sites e grupos na internet é sempre bem-vinda, desde que feita com consciência e tomadas as devidas precauções.

Faculdade de psicologia

O curso de psicologia dura em média 5 anos e a grande maioria é de bacharelado, sendo que existem alguns que oferecem a habilitação de licenciatura, que forma professores.

Dentre as principais disciplinas ministradas no curso, estão:

  • Avaliação psicológica;
  • Desenvolvimento humano e aprendizagem;
  • Gênero, corpo e sexualidade;
  • Neuropsicologia;
  • Processos de ensino e aprendizagem;
  • Psicologia comportamental;
  • Psicologia do esporte;
  • Psicologia de atenção à saúde;
  • Psicologia jurídica;
  • Sociedade e loucura;
  • Teoria e técnicas psicoterápicas.

Além disso, para concluir o curso de licenciatura ou bacharelado, o estudante precisa cumprir um certo período de estágio.

Conselho Regional e Federal de Psicologia

Os Conselhos Regionais de Psicologia têm a finalidade de orientar, disciplinar e fiscalizar os profissionais de psicologia em exercício, zelando pelos princípios éticos descritos no Código de Ética desses profissionais.

Assim, os Conselhos Regionais podem atuar como tribunais regionais de ética profissional bem como sugerir ao Conselho Federal medidas necessárias para melhor orientação e fiscalização do exercício profissional.

Com isso, fica a cargo do Conselho Federal elaborar o seu regimento, aprovar os regimentos dos Conselhos Regionais e definir, nos termos legais, o limite de competência do exercício profissional, bem como elaborar e aprovar o código de ética e servir como tribunal superior de ética profissional.

Qual a diferença entre um psicólogo, um psiquiatra e um psicanalista?

A diferença se dá tanto por conta da formação acadêmica quanto pela atuação em si.

Psicólogos se formam na faculdade de psicologia, psiquiatras são formados em medicina e os psicanalistas não necessariamente se formaram em psicologia ou medicina, mas possuem formação em psicanálise para poder atuar no consultório.

O psicólogo, como vimos, pode ter várias atuações, como a psicologia do desenvolvimento, gestão de Recursos Humanos (RH) e a psicoterapia.

Dessa forma, o psicólogo pode trabalhar com uma gama variada de questões que vão desde transtornos mentais, como a depressão, até questões do dia a dia, como a dificuldade de aprendizado de um aluno, por exemplo.

O psiquiatra, por outro lado, volta seu trabalho mais às questões relativas aos transtornos mentais (depressão, ansiedade, transtorno bipolar, etc). Diferente do psicólogo e do psicanalista, o psiquiatra pode receitar medicamentos.

O tratamento pode ser feito com ambos profissionais simultaneamente, médico psiquiatra e psicólogo, potencializando o resultado.

Profissional e paciente irão buscar por um tratamento mais funcional e adequado ao quadro e ao organismo, levando em consideração questões como os efeitos colaterais, efetividade do medicamento e a melhora da qualidade de vida do paciente.

Há médicos psiquiatras que também realizam, como os psicólogos, o processo psicoterápico com seus clientes.

Além disso, também podem, por serem médicos, prescrever remédios.

O psicólogo não prescreve e atua através da psicoterapia.

Os psicanalistas atendem seus pacientes no consultório, tendo como base os princípios freudianos e/ou suas demais vertentes.

É válido lembrar que psicanalistas e psicoterapeutas têm formações profissionais diferentes.

Qualquer pessoa com formação superior, mesmo sem a formação em psicologia pode ser psicanalista, necessitando somente fazer uma formação em psicanálise, mas para ser um psicoterapeuta é necessário ser formado em psicoterapia, ou seja, fazer a faculdade de psicologia.

Qual a importância do psicólogo na saúde?

Ainda que nem todo mundo sofra com alguma alteração psicológica ou mental, necessitando de um acompanhamento específico, acredita-se que a terapia pode trazer melhorias constantes a quem a faz.

Em geral, as pessoas acabam acumulando sentimento e emoções, e nem sempre sabem lidar corretamente com elas.

Fazer acompanhamento psicológico pode resultar em formas mais leves de lidar com a vida, com as mudanças, com os problemas e com a própria personalidade.

Assim, com um emocional mais equilibrado, o paciente consegue ter mais saúde. O corpo processa melhor as emoções e problemas relacionados ao estresse, por exemplo, são evitados.

Além disso, a terapia ajuda a evitar hábitos ruins. Por exemplo, há quem fume para aliviar a ansiedade. Ainda pior, são os comportamentos compulsivos que se desenvolvem por meio de fatores emocionais.

Onde o psicólogo pode trabalhar?

Os psicólogos podem trabalhar em diversas áreas que vão do setor público ao privado. Dos lugares que os psicólogos podem atuar, podemos citar:

  • Escolas;
  • Centros de pesquisa;
  • Centros de formação profissional;
  • Centros de emprego;
  • Hospitais;
  • Centros de saúde;
  • Tribunais;
  • Bancos e empresas privadas;
  • Organizações não governamentais (ONGs);
  • Instituições de reinserção social.

Quanto ganha um psicólogo?

O faturamento de psicólogo pode variar bastante, dependendo da área que o profissional escolhe seguir. Se ele tiver um consultório próprio, o valor que vai arrecadar no fim do mês vai depender do quanto ele cobra por consulta, quantas pessoas ele atende e com qual frequência.

Se ele tiver um consultório próprio, o valor que vai arrecadar no fim do mês vai depender do quanto ele cobra por consulta, quantas pessoas ele atende e com qual frequência, se atende clientes particulares ou de convênio, se trabalha em clínica própria ou de terceiros, além de outras variáveis.

Entretanto, pode acontecer desse profissional ser contratado para exercer alguma função em empresa ou instituição. Nesses casos, para os psicólogos clínicos, a média salarial fica em torno dos R$ 2.600,00.

Esses valores, entretanto, podem variar para cima ou para baixo dependendo da área de atuação. Um psicólogo que trabalha em uma grande agência de publicidade desenvolvendo testes, por exemplo, pode acabar ganhando bem mais do que a aquele que atende pacientes em um hospital, por exemplo.

Símbolo da psicologia

O símbolo da psicologia não é um tridente, apesar de parecer.

Na verdade, trata-se de uma letra grega chamada “psi”. Sabendo disso, não é difícil perceber por que esse símbolo foi escolhido para representar universalmente a “psi”cologia.

Apesar disso, algumas pessoas imaginam que o símbolo é um tridente porque essa ciência estaria, de certa forma, relacionada a demônios e forças ocultas, devido às relações e interpretações passadas sobre a mente.

Antigamente, o que entendemos hoje como transtornos mentais eram considerados possessões demoníacas ou outros fenômenos sobrenaturais, criando uma falsa interpretação sobre o símbolo.

Isso porque o próprio termo “psicologia” tem origem no grego. “Psique” significa “mente”, enquanto “logos” significa “estudo” ou “conhecimento”.

Com a evolução da medicina essa ficou como responsável pelo cuidado com as doenças do corpo, e as religiões com as doenças da mente ou do “espírito”.

A psicologia é uma ciência recente, Freud nos trouxe suas pesquisas iniciais há pouco mais de um século.

Ela continua em desenvolvimento e tende a crescer com o tempo, através de pesquisas, e por lidar com um assunto tão crescente e necessário.


A psicologia é a ciência da mente e pode ajudar no tratamento de diversos transtornos, como a depressão, ansiedade e transtorno bipolar, além de construir a compreensão da mente humana independente de patologias ou alterações emocionais.

Saiba mais sobre as outras áreas da saúde mental no Minuto Saudável!

Fonte consultada

Dr. Roberto Debski (CRM/SP 58.806 | CRP-06 84803) (Site | Facebook), graduado em Medicina, pela Faculdade de Ciências Médicas de Santos, e em Psicologia, pela Universidade Católica de Santos. Especialista em Acupuntura e Homeopatia, ambos pela Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina. Organizador e coordenador do curso de Meditação, e programa ANDE (acompanhamento a pessoas com Ansiedade, Depressão e Estresse). Criador do Projeto Ser Integral, clínica de Medicina Integrativa.


Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *