Quando as mães descobrem que vem, muitas vezes o enxoval é planejado com presentes iguais e até roupinhas iguais para as crianças.

Porém, apesar de possuírem características semelhantes, um novo estudo publicado na revista acadêmica Proceedings of the National Academy of Sciences sugere que diferenças vão se expondo ao longo do tempo.

Os pesquisadores da Northwestern University e da Norwegian School of Economics, que realizaram o estudo, concluíram que, quando os gêmeos são uma menina e um menino, as diferenças causam desvantagens para o lado feminino.

E elas vão da fertilidade ao sucesso sócio-econômico entre irmãos.

Mas calma, nós vamos esclarecer melhor na sequência.

O que diz o estudo?

Os pesquisadores iniciaram a pesquisa utilizando dados de 13.800 nascimentos de gêmeos menina-menina e menina-menino na Noruega, entre 1967 e 1978, que foram acompanhados durante 30 anos.

A pesquisa se baseou na hipótese de que as meninas expostas à testosterona no útero, devido à formação com o irmão, teriam diferenças comportamentais no decorrer da vida.

Para comparar os resultados, os pesquisadores também analisaram mulheres que, apesar de serem gêmeas de um irmão, cresceram sozinhas, a fim de verificar como acontecia o desenvolvimento feminino em diferentes situações.


Pelo resultado, foi visto que as mulheres que se desenvolveram no mesmo útero que o irmão têm 15% a menos de chances de se formar no ensino médio e 4% a menos terminar a faculdade.

Além disso, os pesquisadores também observaram que as mulheres irmãs de um menino tiveram suas taxas de fertilidade aproximadamente 6% mais baixas e, ainda, eram quase 12% menos propensas casar.

A testosterona

Mas tudo isso tem um motivo, segundo a pesquisa, e se chama testosterona — hormônio sexual masculino.

Segundo os pesquisadores, essas diferenças no comportamento feminino podem acontecer devido à exposição ao hormônio do sexo oposto ainda no útero da mãe, que ocorre pelo líquido amiotrófico ou pelo sangue da mãe.

Mas atenção, a interpretação desse estudo exige cautela, segundo seus próprios autores, os resultados podem variar de sociedade para sociedade, sendo apenas uma dos fatores relacionados ao comportamento.

Ou seja, uma observação o quanto a biologia pode estar relacionada com o futuro.


O estudo citado na notícia abrange uma vasta opção de interpretações, porém ele pode ser importante para analisar como os hormônios interferem no desenvolvimento de bebês de diferentes sexos.

Fonte: Health Day


Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *