Eduardo (Minuto Saudável)
18/03/2019 16:12

Teste rápido é capaz de detectar a pré-eclâmpsia em até 3 minutos

A pré-eclâmpsia ou doença hipertensiva específica da gravidez (DHEG), que afeta mulheres durante a gestação, é conhecida na área médica por trazer complicações tanto para a mãe quanto para o bebê.

Ela é caracterizada pelo aumento da pressão arterial nas gestantes que, antes, tinham níveis normais de pressão.

Entre as manifestações estão o suor excessivo nas mãos e nos pés, retenção de líquido e inchaço nas pernas. Como são bastante comuns, faz com que sejam confundidas com sintomas normais da própria gravidez.

Leia mais: Grávida pode tomar dipirona? Prejudica o bebê?

Os quadros podem variar: ocorrer lentamente e durar bastante tempo ou ocorrer de forma brusca.

A condição, se não detectada, pode evoluir para a eclâmpsia, representando riscos à saúde da mãe e do bebê, podendo levar à necessidade de partos prematuros e morte.

Visando diminuir os riscos dessa doença, um novo estudo publicado no E-Clinical Medicine da Lancet, revelou que através de um simples teste de urina é possível fazer a detecção da pré-eclâmpsia na gravidez.

Trata-se do Teste de Papel do Congo Red Dot (CRD), que é capaz de identificar a presença da doença pela urina da paciente e demora apenas 3 minutos.

Como é o teste?

O CRD basicamente verifica um dos sintomas característicos da doença, a presença de proteínas na urina.

Para isso, os cientistas desenvolveram um aparelho que utiliza um corante vermelho especial, capaz de reagir às substâncias presentes na urina.

O tempo de detecção é de apenas 3 minutos, sendo que a realização é rápida e os resultados se mostraram promissores na rápida detecção da pré-eclâmpsia.

Diagnóstico rápido

Para esse tipo de condição, em que a doença pode afetar tanta a vida do bebê quanto a da mãe, é essencial que haja um equipamento que faça o diagnóstico rapidamente e seguro.

Quanto mais cedo for detectada a doença, mas chances do tratamento ser eficaz contra a doença.

Para avaliar a precisão do teste, foram avaliadas 346 gestantes. Os resultados apontaram que o teste teve precisão em 86% dos casos, sendo considerado um valor alto e, por isso, muito eficiente.

Com a agilidade do resultado e o baixo custo de realização, os quadros de alterações de pressão durante a gestação podem ser tratados com mais eficiência, reduzindo os riscos à mãe e ao bebê.


Pré-eclâmpsia é uma condição perigosa que pode ocorrer sobretudo após 20ª semana de gravidez. Associada aos altos índices de parto prematura e danos à saúde da mãe e do bebê, a detecção precoce reduz os riscos e otimiza o tratamento.

Por isso, é importante investir em inovações, como o teste rápido, para trazer mais segurança e qualidade de vida para as mulheres.

Fonte: Science Daily

18/04/2019 16:15

Eduardo (Minuto Saudável)

Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável. Confira mais na nossa página de quem somos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*