Eduardo (Minuto Saudável)
31/01/2019 11:25

Começam a valer novas orientações sobre o uso de mercúrio na saúde

Produtos com mercúrio que são usados na área da saúde foram proibidos de ser fabricados, importados e comercializados pelo decreto da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que entrou em vigor no início de 2019.

Segundo a própria entidade, serviços de saúde que ainda fazem uso desses equipamentos, como termômetros e medidores de pressão, devem fazer a substituição.

Os termômetros com mercúrio foram, gradualmente, diminuindo de circulação ao longo dos anos, sendo substituídos pelos digitais. No entanto, muitas pessoas ainda podem ter aquele mais antigo.

Sobre isso, a nota da Anvisa orienta que não há restrições e os produtos podem continuar sendo utilizados, desde que seja apenas para uso residencial e respeitando o devido manuseio e armazenamento.

Também continua liberado o uso de produtos com mercúrio em pesquisas, equipamentos para calibração (ajuste) ou usados como padrão de referência.

Mas para quem deseja se desfazer do produto mesmo assim, é importante ficar atento às novas orientações sobre os postos de recolhimento.

A nota vem reforçar outra medida, também em vigor desde janeiro de 2019, que proíbe o uso e comercialização de mercúrio e pó para liga de amálgama nos procedimentos odontológicos (ambos produtos usados em restaurações dentárias).

O objetivo é reduzir os riscos

Resultado da Convenção de Minamata assinada em 2013 por 128 países, incluindo o Brasil —, a restrição do uso visa eliminar o mercúrio devido aos riscos à saúde e ao meio ambiente, já que o descarte é geralmente é feito em lugares inadequados e pode facilmente contaminar o solo e rios próximos.

Estudos apontam que a exposição a pequenas quantidades, cerca de 1,2mG, é o suficiente para causar bronquite e fibrose pulmonar, além de estar associado a danos ao sistema nervoso e à tireoide.

A intoxicação pode acontecer pela ingestão, contato com a pele e, sobretudo, pela inalação.

Por isso, profissões e atividades que têm contato direto com a substância, como mineração e refinaria de petróleo, são incidentes em casos de contaminação.

Quando em contato com a água, ele se acumula nos tecidos dos peixes que fazem parte da nossa dieta, podendo contaminar quem ingerir o alimento.


O mercúrio tem sido foco de preocupação global e é considerado perigoso devido aos impactos negativos na saúde e no meio ambiente.

Por isso pense bem antes de descartar qualquer objeto na natureza!

Fonte: Anvisa

18/04/2019 16:45

Eduardo (Minuto Saudável)

Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável. Confira mais na nossa página de quem somos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*