Minuto Saudável
08/02/2019 11:21

Medicamentos podem ter aumento de 4,46% a partir de abril

O preço dos remédios vai aumentar segundo a Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma). O reajuste, feito anualmente, vai ter um aumento proporcional de 4,46 % em 2019.

A mudança levou em consideração alguns fatores que influenciaram a produção de medicamentos, entre eles estão o impacto da energia elétrica, produtividade das indústrias e câmbio.

Porém, a alteração só deve entrar em vigor a partir de abril, e os preços, aos poucos vão mudando no mercado de acordo com a renovação do estoque das farmácias.

Considerado alto, o reajuste já teve números maiores em outros anos. Em 2014, 2015 e 2016 os preços tiveram aumentos de 5,68%, 7,7% e de até 12,5%, respectivamente. Sendo o menor nos últimos 10 anos.

Como é calculado o reajuste?

O reajuste geralmente é feito com três níveis de porcentagem, isso porque a mudança pode variar entre o consumo dos medicamentos, que compõem 3 grupos.

Esses grupos são divididos os de alta, moderada e os de baixa concorrência. Ou seja, quanto mais empresas ou marcas fabricando, maior a concorrência.

Por exemplo, omeprazol e pantoprazol participam do grupo de alta concorrência, pois há diversas marcas, incluindo genéricos, disponíveis.

Remédios como cetoconazol e tramadol, que são antifúngicos e participam do grupo de concorrência moderada, têm um aumento um pouco menor em relação ao primeiro.

Já os de baixa concorrência, como betametasona e dexametasona, têm o menor reajuste da categoria.

Nesse ano, todos esses grupos podem ter o aumento máximo (4,46%), que está abaixo da inflação.


A mudança de preços ocorre todos os anos e, apesar da medida começar a valer em abril, a diferença será vista de maneira gradativa de acordo com a estocagem no varejo.

Fonte: Interfarma

18/04/2019 16:38

Minuto Saudável

Somos um time de especialistas em conteúdo digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável. Confira mais na nossa página de quem somos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*