Minuto Saudável
25/01/2019 15:20

Distúrbios do sono aumentam as chances de ter Alzheimer

Pessoas com Alzheimer costumam conviver com as noites mal dormidas. Isso porque essa é uma das consequências da doença, causada pelo comprometimento da produção de melatonina (hormônio regulador do sono).

Mas um recente estudo de pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Washington, nos EUA, alerta que a má qualidade do sono pode, também, ser um fator de risco para a doença de Alzheimer.

Para chegar a esta conclusão, a pesquisa contou com a participação de 119 pessoas com média de 60 anos ou mais. Destas, 80% tinha capacidade cognitiva normal e o restante apresentava um pequeno comprometimento da função.

Esses participantes usaram um aparelho portátil de eletroencefalograma (EEG) durante uma semana, a fim de medir as ondas cerebrais ao dormirem. Além disso, receberam um sensor para monitorar o movimento corporal durante a noite. Os voluntários também fizeram anotações ao longo do estudo para registrar dados do sono, fosse ele noturno ou diurno.

Leia mais: Remédio natural para dormir: 6 opções de tratamento caseiro

Os cientistas, então, mediram os níveis de duas proteínas destas pessoas: a tau e a beta-amiloide, ambas presentes no cérebro.

A proteína tau é encontrada nos neurônios e, em certas condições, pode se acumular no cérebro junto a outra proteína (beta-amiloide), podendo causar danos cerebrais e declínio cognitivo. Em pacientes com Alzheimer, essa substância encontra-se em níveis elevados.

No teste feito pelos pesquisadores foi observado que pessoas que têm menor quantidade de sono de ondas lentas (aquele sono profundo que você precisa para acordar revigorado) possuem níveis altos da tau. Algumas cochilavam durante o dia e dormiam à noite, mas o fato é que a qualidade do sono era ruim.

Portanto, para os pesquisadores, as chances da doença podem estar relacionadas não só ao tempo dormido, mas também à qualidade dessas horas.


Acordar descansado e sentir que sua noite de sono foi ótima é um bom sinal para a prevenção de inúmeras doenças. Por isso, é preciso ficar atento no tempo que você dorme e nas alterações do seu sono.

Fonte: Science Daily

Leia também: 6 horas por noite é o tempo mínimo de sono para evitar doenças cardíacas

18/04/2019 16:50

Minuto Saudável

Somos um time de especialistas em conteúdo digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável. Confira mais na nossa página de quem somos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*