Uma mulher na cidade de Glasgow, na Escócia, teve seu remédio trocado após ir a farmácia, segundo relato publicado no BMJ Case Reports.

A paciente, que não teve seu nome revelado, estava a procura de um medicamento para tratar os olhos secos e lesões recorrentes da córnea, mas acabou saindo do estabelecimento com uma pomada para disfunção erétil.

O erro teria acontecido por causa dos nomes similares do remédio. Na receita prescrita pelo médico estava o nome da pomada oftalmológica VitA-POS, e a pessoa que a atendeu vendeu o creme para ereção Vitaros.

Outra suspeita, de acordo com o periódico, é de que o farmacêutico não entendeu a letra do médico.

Após a aplicação do creme nos olhos, a mulher imediatamente começou a sentir os primeiros sintomas. Dores no local, visão turva, vermelhidão e inchaço na pálpebra obrigaram ela a procurar um médico.

No balanço final, o relatório do hospital em que a paciente foi atendida informou que ela foi tratada com colírios antibióticos, esteroides e lubrificantes.

A lesão química ocular causada pelo uso do medicamento trocado cicatrizou em poucos dias, mas a mulher continuou com o antigo problema nas córneas, para as quais recebeu tratamento e acompanhamento.

Como evitar erros de prescrição e dispensação

O mais curioso deste caso foi que nem o paciente nem o farmacêutico tenham questionado o uso do creme para disfunção erétil com orientações de aplicação nos olhos, e em alguém do sexo feminino.

Trocas de medicamentos na farmácia não são comuns, mas infelizmente é algo que pode acontecer, como diz a farmacêutica Francielle Mathias.

Segundo ela, as farmácias procuram meios de evitar ao máximo que isso aconteça, mas o correto seria que todas as bulas fossem digitalizadas, e que esse avanço ainda não é uma realidade no Brasil.

No caso de dúvidas do atendente ou farmacêutico, o correto é entrar em contato com o médico para confirmar informações, como nome do medicamento e posologia.

Mas se a dúvida for do paciente, vale destacar a importância de ler a bula antes de iniciar o consumo do remédio, como ressalta Mathias:

“Isso evitaria diversos erros na forma de tomar ou usar o medicamento, simplesmente porque a pessoa está devidamente informada.”


Atualmente, existem ferramentas que proporcionam a consulta de bulas online. Sites como o Consulta Remédios têm a informação clara e direta aos pacientes, para facilitar o tratamento. Não deixe de ler a bula!

Leia mais: O que é automedicação, causas e quais são as consequências?

Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.

Editor Médico

Dr. Paulo Caproni

CRM/PR 27.679

Graduado em Medicina pela PUCPR. Residência Médica em Medicina Preventiva e Social pela USP. MBA em Gestão Hospitalar e de Sistemas de Saúde pela FGV.

Farmacêutica Responsável

Dra. Francielle Mathias

CRF/PR 24612

Farmacêutica generalista, com Mestrado em Ciências Farmacêuticas, ambos pela Unicentro. Doutorado em Farmacologia pela UFPR.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *