O que é

Também conhecida por “Varicela”, a Catapora é uma infecção/virose causada pelo vírus Varicelazóster, da mesma família do Herpes (Herpetoviridae) e é altamente contagiosa, porém é benigna nas crianças, que são as mais afetadas.

O termo “Catapora” tem origem no tupi tatapora, que significa “fogo que salta”, com a junção de tatá “fogo” e pora “pular”.

Uma vez que alguém contraia a doença, ficará imune o resto da vida, mas o vírus ainda fica no organismo da pessoa. Os casos de Catapora na infância, que é a fase mais comum, têm diminuído, devido às campanhas de vacinação para prevenir contra a doença.

O vírus da catapora instalase de forma latente no organismo, em gânglios nervosos que são próximos à coluna vertebral. Se houver reativação do vírus, ele poderá causar a “Herpes zoster”, a qual possui um quadro clínico geralmente típico: vesículas agrupadas sobre base eritematosa, associada à sensação de dor, queimação e aumento da sensibilidade local.

A época mais propícia para as crianças contraírem a doença é no inverno, pois a concentração dos pequenos em ambientes fechados aumenta o risco.

A Catapora se diferencia da Rubéola e do Sarampo devido às suas lesões ocorrerem em vários estágios ao mesmo tempo, nos quais identificamse crostas, bolhas e pápulas (irritação na pele) espalhadas pelo corpo.

Índice – neste artigo você encontrará as seguintes informações:

  1. O que é
  2. Causas
  3. Sintomas da Catapora
  4. Qual profissional devo procurar? E qual o diagnóstico?
  5. Tratamento para Catapora
  6. Complicações
  7. Grupos de risco
  8. Como prevenir? A Catapora é contagiosa?

Causas

A Catapora é altamente infecciosa, acometendo a maioria das pessoas que nunca tiveram a doença e passaram mais de uma hora estudando na mesma sala que uma pessoa infectada, locais aglomerados com alguém infectado, etc.

A transmissão ocorre via respiratória, em gotículas de espirros, de tosse, pelo contato com as lesões avermelhadas (exantemas) ou pela conjuntiva do olho, multiplicandose e disseminando pelo sangue, até a pele.

As “erupções maculopapulares” ou “exantemas” são seguidas de erupções vesiculoeritematosas muito pruriginosas (ou seja, pústulas que causam comichão).

Estas pústulas apresentamse com base vermelha e cúpula transparente, os exantemas são mais frequentes na região torácica, mas podem aparecer em todo o corpo, incluindo no couro cabeludo e na mucosa oral.

Um paciente com Catapora começa a infectar outras pessoas cerca de um a dois dias antes das bolinhas vermelhas começarem a aparecer e continua infectando por cerca de cinco a seis dias até que todas as bolhas tenham formado cascas.

A transmissão também pode ocorrer durante a gestação (da mãe para o feto) causando complicações para ambos.

Sintomas da Catapora

Os sintomas aparecem após 20 dias que a pessoa teve contato com o vírus. Nas crianças, a Catapora não chega a ser tão grave e os sintomas iniciais incluem irritação sem motivo aparente e cansaço. Os demais são:

  •  Febre, podendo chegar a 39,5ºC.
  •  Malestar.
  •  Falta de apetite.
  •  Manchas vermelhas que coçam muito, no formato de bolinhas de até 1cm, este é o principal sintoma e característica da Catapora. Essas bolinhas surgem inicialmente na parte lateral do abdômen e depois do primeiro dia, elas se espalham e surgem no rosto, depois no couro cabeludo, pernas e braços, onde aparecem em menor quantidade.

Estas manchas se transformam em bolhas cheias de líquido, que depois de estourarem formam pequenas feridas, as quais formam uma casquinha e saram.


Crédito: mdsaude.com

Geralmente, a Catapora tem duração de 1 a 2 semanas. Enquanto algumas crianças têm apenas poucas lesões de catapora, outras podem apresentar as lesões pelo corpo todo. Estas são mais numerosas no tronco, tendendo a poupar extremidades e podem até aparecer como mucosas na boca e/ou área genital.

Nos bebês, a catapora apresenta os mesmo sintomas, podendo surgir também tosse e secreção nasal antes do aparecimento das bolhas; bebês de 1 ano têm os sintomas bem mais leves.

Adultos devem ter cuidado pois a doença pode ser mais grave do que em crianças, cerca de 5% a 14% dos adultos que são infectados com a Catapora chegam a desenvolver problemas pulmonares (Pneumonia, por exemplo).

Antivirais de uso oral podem ser necessários. As mulheres grávidas que ainda não tiveram catapora, devem se manter longe de pacientes com a doença, pois pode trazer complicações para o bebê.

Qual profissional devo procurar? E qual o diagnóstico?

O clínico geral ou o pediatra poderão fazer o diagnóstico da Catapora, avaliando os sintomas apresentados, das bolhas no corpo e, se necessário, também pode solicitar exame de sangue para confirmar a infecção.

Tratamento para Catapora

Ainda não existe tratamento específico para a Catapora. Contudo, existem medicamentos que podem aliviar os sintomas. Como cuidado, o ideal para as crianças é tentar mantêlas acomodadas, evitando estresses, bem como os adultos.

O tratamento é um tempo para a criança recuperarse da doença, assim, não levea para a escola, e no caso de adultos, peça ao médico para liberálo do trabalho durante o período.

Medicamentos para Catapora

  •  Aciclovir: receitado para pacientes acima de 12 anos de idade, com o sistema imunológico enfraquecido, como HIV positivos, em tratamento de câncer e gestantes.
  •  Paracetamol.
  •  Dipirona: para aliviar a febre.
  •  Polaramine: pomada antialérgica para reduzir a coceira.
  •  Loção de calamina.
  •  Géis que refrescam e aliviam a coceira.
  •  Antisépticos: em forma de sabonetes a base de triclosano.
  •  Banhos com permanganato de potássio indicam melhora, mas não há estudos científicos que comprovem isso. O ideal é lavar a pele com água e sabão neutro.

Remédios caseiros para Catapora

Outra forma de tratar a Catapora é em casa, e entre os cuidados estão:

  •  Tomar até 3 banhos por dia, com água morna.
  •  Manter as unhas bem cortadas para evitar criar feridas na pele.
  •  Evitar alimentos quentes ou muito salgados, devido às feridas na boca.

Atenção! 

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas nesse site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica.

Complicações/Prognóstico

A infecção secundária das lesões é a principal complicação provocada pela Catapora. Por isto, a criança deve evitar se coçar ou arrancar as casquinhas.

Entre outras complicações que podem aparecer na involução da doença são cicatrizes altas: denominadas quelóides, deprimidas e atróficas. O que irá determinar estas complicações é a gravidade da doença e a predisposição do paciente em formar cicatrizes.

As complicações mais comuns decorrentes da Catapora são:

  •  Encefalite.
  •  Hepatite.
  •  Miocardite: inflamação do músculo cardíaco.
  •  Pneumonia.
  •  Síndrome de Reye: quadro de alteração neurológica, podendo levar o paciente ao coma. Com isso, é proibido os usos de AAS ou aspirina durante a Catapora, pois esses medicamentos podem levar à síndrome.

Grupos de risco

Entre os grupos de risco da Catapora estão:

  •  Mulheres grávidas.
  •  Pessoas suscetíveis com mais de 15 anos de idade.
  •  Pessoas com imunodeficiência congênita ou adquirida.
  •  Crianças menores de 1 ano de idade.

Como prevenir? A Catapora é contagiosa?

A principal forma de prevenção da Catapora é a vacinação contra a doença. As vacinas são aplicadas em 2 doses, nas crianças e adultos que nunca tiveram a doença, e estão disponíveis nos Sistemas Únicos de Saúde (SUS), denominada “vacina tetra viral”, pois a vacina “antivaricela” foi acrescentada à “tríplice viral”.

Além da vacinação ser muito importante, ela é uma recomendação da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e, também, da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).

Todas as crianças, a partir de 1 ano de idade podem ser vacinadas contra a Catapora, assim como os adultos que não tiveram a doença. As duas doses são aplicadas assim:

  •  A primeira a partir dos 12 meses de idade é melhor aplicada aos 15 meses, junto com o primeiro reforço da vacina tríplice bacteriana e da vacina contra a poliomielite, o que garante de 95% a 98% de proteção ao bebê.
  •  A segunda entre 4 e 6 anos de idade.

Os adultos também tomam 2 doses, porém a segunda é administrada com 4 meses de intervalo. Pessoas que não devem tomar a vacina:

  •  Gestantes.
  • Indivíduos imunossupresores.
  •  Indivíduos que tenham sido vacinados contra outro tipo de vírus vivo nas últimas 4 semanas.

Mas, a melhor forma de prevenção ainda é evitar ao máximo o contato com pessoas que estejam com a doença, pois existe a possibilidade de transmissão a partir do momento em que começam a surgir as primeiras manchas, e este permanece até a última bolha secar.

Crianças e adultos com catapora precisam ser mantidos longe do convívio coletivo até que a catapora passe e todas bolhas sequem.

A vacina protege a pessoa também das formas graves da doença, mas, vale lembrar que outras pessoas mesmo vacinadas contra a Catapora ainda poderão ter a doença. Entretanto, é geralmente mais suave com menos bolhas e pouca ou nenhuma febre.

O Ministério da Saúde, contudo, tem indicações precisas da vacina contra a catapora e, devido a isso, a vacina não está disponível em todas as Unidades de Saúde, sendo indicada apenas para:

  1. População indígena, a partir de 4 anos de idade.
  2. Surto hospitalar da doença: vacinar, até cinco dias após o surto, crianças maiores de 9 meses de idade que tenham imunidade baixa e que estejam dentro do hospital e demais pessoas que estejam suscetíveis.
  3. Profissionais de saúde, cuidadores e familiares suscetíveis à doença que estejam em convívio domiciliar ou hospitalar com pacientes com maior risco de contrair a doença com consequências graves, como crianças com câncer, pessoas em geral submetidas à cirurgias, doadores de órgãos e célulastronco, entre outros.
  4. Pacientes com doenças renais crônicas.
  5. Crianças, adolescentes e adultos infectados pelo HIV.
  6. Doenças dermatológicas graves.
  7. Pessoas que fazem uso crônico de ácido acetilsalicílico (aspirina). Recomendase suspender o uso por seis semanas apos a vacinação.

A transmissão da catapora é via respiratória e ocorre por:

  •  Contato direto com saliva ou secreções respiratórias do paciente infectado.
  •  Contato com o líquido do interior das vesículas.
  •  Objetos contaminados.

Pessoas que moram na mesma casa que o paciente, tem mais de 90% de chances de serem infectadas, tamanho é seu índice de contágio. Após o contato, o período de incubação da doença dura em média de 15 a 20 dias e o paciente começa a transmitila após 48 horas antes de sentir os primeiros sintomas. A recuperação completa ocorrerá de 7 a 10 dias após aparecerem os sintomas.


Quando a Catapora é adquirida na infância ela não é grave, os riscos são grandes quando ela é adquirida na fase adulta. Por isso, previnase e vacine a família! Não se esqueça também de compartilhar este artigo para que outras pessoas fiquem informadas sobre os riscos da Catapora!

Referências
http://mdemulher.abril.com.br/saude/bebe/cataporaperguntaserespostassobreessadoencacomumnainfancia
http://portal.fiocruz.br/ptbr/content/cataporapediatraexplicaossintomasotratamentoecomoseprevenir
http://www.sbd.org.br/doencas/catapora/
http://www.brasil.gov.br/saude/2015/02/transmissaodacataporasedaentre1a2diasantesdaslesoes
https://www.tuasaude.com/sintomasdecatapora/
http://www.mdsaude.com/2009/11/cataporavaricelazoster.html
http://catapora.com.br/
http://www.saudemedicina.com/cataporasintomastratamentovacina/
https://pt.wikipedia.org/wiki/Varicela
http://www.emedix.com.br/doe/ped007_1g_varicela.php

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (Avalie o conteúdo!)
Loading...

Faça um comentário:

Por favor, escreva seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui