Eduardo (Minuto Saudável)
29/03/2019 15:26

Entenda como a asma e a obesidade podem estar conectadas

As doenças asma e obesidade têm tido um aumento significante no mundo inteiro nas últimas décadas, e por isso chamam a atenção de órgãos e entidades de saúde que alertam sobre os cuidados para se prevenir delas.

Apesar de serem diferentes uma da outra, as duas doenças são graves e podem estar relacionadas no nosso corpo.

Por exemplo, cerca de 40% das pessoas diagnosticadas com asma têm obesidade, e com base nisso, os cientistas partiram para entender como uma doença contribui para a outra.

De acordo com uma nova pesquisa apresentada na reunião anual da Sociedade de Endocrinologia em Nova Orleans, nos Estados Unidos, essa ligação entre as duas doenças tem a ver com a presença de um hormônio chamado de aP2, ou simplesmente de P2.

Esse hormônio é liberado pelo tecido adiposo do obeso e é fundamental no desenvolvimento da asma no paciente. Os pesquisadores ainda disseram que a descoberta pode contribuir para futuras opções de tratamento para as doenças.

Além disso, pacientes que sofrem das duas doenças têm mais dificuldade de responder aos tratamentos convencionais, já que possuem limitações na hora de o médico prescrever os remédios.

Hormônio (P2) encontrado nas duas doenças

Esse hormônio já era observado por pesquisadores em paciente com obesidade e estava relacionado a aparição de outras doenças também causadas pelo excesso de peso, como diabetes e doenças cardíacas.

Isso porque o P2 tem um papel importante nas respostas inflamatórias do corpo e, consequentemente, contribui para essas doenças crônicas citadas acima.

Com base nisso, os cientistas resolveram ver os dois lados da história e buscaram entender a relação do hormônio com ambas as doenças, veja a seguir.

Hormônio e asma

Segundo o estudo, através de medições no fluido pulmonar e também no sangue de pacientes com e sem asma, os cientistas descobriram que o P2 foi cerca de 25,4% mais alto em pacientes afetados pela doença (asma).

Além disso, os mesmos também apresentaram excesso de peso e chances de obesidade maiores, em relação aos participantes sem asma.

Hormônio e obesidade

Os pesquisadores também verificaram os níveis do hormônio (P2) em pacientes com obesidade, com peso saudável, e sem asma.

Pelos resultados foi possível ver que o P2 dos pacientes obesos é 23% maior que os outras pessoas, cuja condição era saudável.

Eles descobriram que os níveis de P2 foram 25,4% mais altos no sangue de pessoas que foram afetadas pela asma e preencheram os critérios para obesidade ou excesso de peso, em comparação com pessoas sem asma.

Contextualizando

Isso significa que as duas doenças possuem um mesmo hormônio proeminente, e que este hormônio também pode ser considerado um fator de risco para obesos desenvolverem um quadro asmático.

Além disso, a descoberta contribui para dar origem a um possível novo tratamento, com potencial para impedir a ação desse hormônio, evitando que o paciente tenha asma e possíveis complicações crônica.


Pessoas com obesidade têm índices elevados de gordura, fazendo com que o organismo sofra com constantes processos inflamatórios e facilite ou favoreça a ocorrência de crises ou do desenvolvimento de asma.

Fonte: Science Daily

18/04/2019 14:58

Eduardo (Minuto Saudável)

Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável. Confira mais na nossa página de quem somos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*